Um esqueleto de T-Rex será leiloado. O valor inicial? 6 milhões de dólares

Primeira parte do esqueleto de um tiranossauro rex foi encontrado em 1902 e somente um outro foi leiloado, em 1997

Se o seu sonho é ter um esqueleto de tiranossauro rex na sala de estar, essa é a sua chance. O animal de 67 milhões de anos será leiloado no dia 6 de outubro no Christie’s Rockefeller Center, em Nova York. Para levá-lo, basta desembolsar de 6 milhões de dólares a 8 milhões de dólares — sem converter isso para o real, dá para ter uma ideia de como é caro.

Em entrevista à emissora americana CNBC, o presidente da Christie’s, Guillaume Cerutti, afirmou que acredita que ter um esqueleto de dinossauro de 12,192 metros de altura pode “melhorar o humor da cidade em meio à pandemia do novo coronavírus”. “Acreditamos que depois desses tempos desafiadores, é importante começar a nova temporada com algo positivo — um momento de felicidade”, afirmou ele à emissora.

O fóssil, chamado de Stan, é um dos mais famosos e um dos 50 descobertos na história — sendo que a maioria está, atualmente, em museus. O Stan é também um dos fósseis mais completos de T-rex e tem 188 ossos e dentes de cerca de 28 centímetros.

O fóssil foi encontrado em 1987 pelo paleotologista amador Stan Sacrison (por isso o nome do dinossauro também é Stan). Foram necessárias mais de 30 mil horas para escavar o local onde ossos estavam.

Especialistas dizem que ele pode ter pesado entre 7 e 8 toneladas e mostrou sinais de uma vida violenta — tinha um pescoço quebrado, duas vértebras juntas e uma terceira imobilizada. Uma vida dura para um dinossauro (que mais tarde foi, literalmente, aniquilado por um meteoro).

Mas vender dinossauros não é comum — não é como se eles fossem animais de estimação muito populares. Geralmente quem os compra busca doá-los para museus a fim de preservar a ciência e a história dos animais que estiveram na Terra anos antes dos humanos.

O último T-rex a ser vendido em leilão foi a Sue, vendida em 1997 por 8,36 milhões de dólares para um consórcio entre o McDonald’s e o Walt Disney World Resort — mais tarde, o fóssil foi doado para o Museu Field de História Natural, em Chicago.

Mas qual foi o primeiro fóssil de dinossauro encontrado?

Faz bastante tempo. Em 1676 foi encontrado uma parte do fêmur de um megalossauro na Inglaterra. Os cientistas, à época, achavam que se tratava apenas de um elefante — e foi assim que o fóssil foi categorizado nos livros científicos. Em 1815, na mesma região em que o fêmur foi achado, encontraram uma mandíbula cheia de dentes enormes. Mas só em 1824 que o paleontólogo William Buckland conseguiu encontrar uma relação entre os fósseis encontrados.

O animal descoberto era um Megalossauro, espécie carnívora terópode e bípede, que media mais ou menos nove metros e pesava duas toneladas. Outra característica era a mandíbula gigantesca e terrivelmente forte, o que o tornava um predador nato.

Já o tiranossauro rex teve a primeira parte de seu esqueleto encontrada em Wyoming, nos Estados Unidos, pelo paleontólogo Barnum Brown, em 1900. Em 1902 ele encontrou mais ossos do animal. Quando foi descoberto, ele era tido como “o maior dinossauro carnívoro” — daí o nome “rex” que passou a acompanhar o “tiranossauro”.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.