• AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
  • AALR3 R$ 20,07 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,92 3.20
  • ABCB4 R$ 16,74 0.30
  • ABEV3 R$ 14,10 0.57
  • AERI3 R$ 3,85 5.77
  • AESB3 R$ 10,95 2.34
  • AGRO3 R$ 30,96 0.72
  • ALPA4 R$ 20,80 1.66
  • ALSO3 R$ 19,47 2.42
  • ALUP11 R$ 27,24 1.64
  • AMAR3 R$ 2,48 2.90
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 24,11 2.73
  • AMZO34 R$ 66,30 -0.51
  • ANIM3 R$ 5,55 1.83
  • ARZZ3 R$ 79,40 -2.41
  • ASAI3 R$ 16,00 0.25
  • AZUL4 R$ 21,94 3.98
  • B3SA3 R$ 12,15 0.91
  • BBAS3 R$ 38,56 4.22
Abra sua conta no BTG

UE diz ainda não estar claro se vacinas precisam de adaptação para ômicron

A agência reguladora da União Europeia afirmou que ainda não há indícios de que as atuais vacinas precisem de alterações contra a ômicron
Vacinação em Berlim: 69% da população da UE está vacinada completamente, mas governos precisam aumentar esta fatia para conter a ômicron (Reuters/Hannibal Hanschke)
Vacinação em Berlim: 69% da população da UE está vacinada completamente, mas governos precisam aumentar esta fatia para conter a ômicron (Reuters/Hannibal Hanschke)
Por Da redação, com agênciasPublicado em 21/12/2021 14:05 | Última atualização em 21/12/2021 14:15Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A agência reguladora de medicamentos da União Europeia, a EMA, afirmou que ainda não há indícios de que seja necessário que as atuais vacinas contra a covid-19 precisarão ser atualizadas para a variante ômicron do coronavírus.

"Ainda não se sabe se precisaremos adaptar vacinas", disse Emer Cook, diretora-executiva da EMA, em comunicado à imprensa. A EMA disse estar preparada, no entanto, caso a adaptação precise ocorrer.

Cook disse que a agência necessita de mais dados sobre a eficácia da vacina, a transmissibilidade da variante ômicron e a gravidade da doença que ela causa. Por ora, os primeiros estudos têm mostrado que a ômicron se mostra mais transmissível, infectando inclusive os já vacinados, mas não tende a causar a forma mais grave da covid-19 nos imunizados.

Cook disse que não acreditava que o mundo ainda estaria em uma pandemia um ano atrás, quando a EMA deu sua aprovação regulatória à vacina desenvolvida pela Pfizer-BioNTech, a primeira da região.

Apesar do comunicado da EMA, governos da União Europeia já acionaram a Pfizer neste mês para negociar um contrato de compra de vacinas adaptadas à ômicron.

A UE tem capacidade de fabricar 300 milhões de doses de vacinas por mês, já que as farmacêuticas aumentaram a produção para atender à demanda crescente de sua população de 450 milhões de habitantes.

O principal problema europeu no momento, assim como em outros países desenvolvidos, é aumentar a taxa de vacinação com os imunizantes que já existem.

Juntos, os países do bloco europeu têm hoje quase 69% da população vacinada com duas doses ou dose única da Janssen, e 72% com pelo menos uma dose (o Brasil tem 66% completamente vacinados, e 77% com ao menos uma dose). Com o aumento de casos entre não vacinados e a preocupação crescente com a ômicron, governos têm tentando ampliar este número.

Em alguns países, como Alemanha e Áustria, já foram implementadas restrições específicas para os não vacinados.

(Da Redação e com Pushkala Aripaka e Josephine Mason, da Reuters)

Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia e tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo sobre economia e negócios.