Pfizer irá pedir autorização nos EUA para aplicar terceira dose de vacina

Estudo em humanos mostrou que reforço com terceira aplicação aumenta o número de anticorpos entre 5 e 10 vezes. Empresa conversa também com autoridades de outros países

A farmacêutica Pfizer irá requisitar uma autorização de emergência nos EUA para ministrar uma terceira dose de sua vacina contra a covid-19. O pedido deve ser apresentado pela empresa em agosto, baseado em estudos que apontam que a aplicação ampliaria a proteção imunológica contra o coronavírus. As informações são do portal Bloomberg.

A empresa recebeu dados preliminares de um teste realizado com humanos que apontam que uma terceira dose de sua vacina poderia aumentar de 5 a 10 vezes a presença de anticorpos no organismo, se comparado ao plano original de vacinação, que previa duas doses.

Assim que receber mais informações sobre os estudos e análise, a empresa afirma que irá pedir à FDA (órgão regulador semelhante à Anvisa nos EUA) a autorização para aplicar uma nova injeção de 6 a 8 meses após as duas primeiras doses. Conversas com reguladores em outros países e na União Europeia estão em andamento.

À Bloomberg, o chefe de pesquisas da Pfizer, Mikael Dolsten, afirmou que a empresa está vindo a público com os planos porque dados atuais sugerem que é preciso cautela com mutações do coronavírus, incluindo as mais transmissíveis, como a variante Delta. "Estamos confiantes que esse reforço será altamenta efetivo contra a variante Delta", disse.

Por enquanto os dados preliminares apresentam informações relativas a um número pequeno de pacientes, mas, segundo os cientistas, as informações são robustas e devem corroborar os achados iniciais.

Pesquisas iniciais para aferir a efetividade da vacina da Pfizer contra a variante delta apontaram que o imunizante era 88% eficaz contra esta cepa em específico, mas um estudo divulgado pelo Ministério da Saúde de Israel esta semana derrubou a métrica, apontando redução na eficácia para 64%.

Dolsten afirmou que a farmacêutica interpretou os resultados como um sinal de os níveis de anticorpos gerados pela vacinação caíram desde que as pessoas em Israel começaram a ser imunizadas. O país foi um dos primeiros a iniciar a vacinação e a ampliar o percentual da população que recebeu vacinas.

Para ele, na presença de uma variante mais transmissível, é possível que casos leves tenham passado pela barreira imunológica, embora a vacina continue eficaz em proteger os pacientes de casos graves.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também