Ciência

Ozempic facilita a gravidez? Mulheres relatam aumento de fertilidade

Mulheres relataram gravidez após tomar pílula anticoncepcional e remédio da Novo Nordisk

Quando esse tipo de medicamento foi aprovado pela FDA, a demanda disparou nos EUA (NurPhoto /Getty Images)

Quando esse tipo de medicamento foi aprovado pela FDA, a demanda disparou nos EUA (NurPhoto /Getty Images)

Publicado em 27 de junho de 2024 às 06h06.

Os medicamentos ​​para perda de peso e diabetes Ozempic e Wegovy tornaram-se nomes conhecidos em todo o mundo. Entretanto, logo surgiram relatos de efeitos colaterais graves. Algumas mulheres relataram nas redes sociais que ficaram grávidas enquanto tomavam pílula anticoncepcional e faziam uso dos remédios da Novo Nordisk.

Outras foram diagnosticadas como impossibilitadas de engravidar, mas tiveram filhos após tomarem algum dos medicamentos

De acordo com a revista Nature, cientistas disseram que os relatos são plausíveis. Eles têm várias hipóteses sobre por que os medicamentos – que pertencem a um grupo conhecido como GLP-1 – aumentam a fertilidade, mas até que mais dados estejam disponíveis, o mecanismo exato permanece desconhecido.

Os medicamentos GLP-1 fornecem uma versão sintética de um hormônio natural chamado peptídeo 1 semelhante ao glucagon, que transmite a sensação de saciedade após comer. A droga se liga ao mesmo receptor do hormônio, mas se degrada mais lentamente, suprimindo o apetite por mais tempo.

Quando os medicamentos GLP-1 foram aprovados para controle de peso nos Estados Unidos, há alguns anos, a demanda disparou. A semaglutida – vendida pela Novo Nordisk como Wegovy para perda de peso e já comercializada sob a marca Ozempic como tratamento para diabetes tipo 2 – foi seguida pela tirzepatida, um medicamento produzido pela Eli Lilly que tem como alvo os receptores GLP-1 junto com outro tipo de receptor.

Dados da revista JAMA sugerem que os jovens em idade reprodutiva tomam cada vez mais estes medicamentos. Das 162.439 pessoas com idades entre 18 e 25 anos que receberam uma prescrição de GLP-1 em 2023, mais de 75% eram mulheres.

Um porta-voz da Novo Nordisk disse à Nature que não havia testado a semaglutida em grávidas ou em mulheres que pretendem engravidar. No entanto, como “existem dados limitados de ensaios clínicos sobre o uso de semaglutida em mulheres grávidas”, a empresa recomenda interromper o medicamento dois meses antes da gravidez para evitar a exposição do feto aos efeitos do medicamento.

Os cientistas estão investigando a ideia de que o GLP-1 possa estar associado à gravidez inesperada. Pessoas com sobrepeso e obesas frequentemente apresentam interrupções no ciclo menstrual causadas por desequilíbrios hormonais ou inflamação.

Na verdade, pessoas que tomam medicamentos GLP-1 relataram gravidez apesar de tomarem contraceptivos orais. A Eli Lilly aconselha as pessoas que usam contraceptivos orais a usar métodos anticoncepcionais de apoio por quatro semanas após o início da tirzepatida ou se aumentarem a dosagem.

Um porta-voz da Eli Lilly disse que a empresa estudou as interações medicamentosas como parte do processo padrão de aprovação da Food and Drug Administration (FDA). Eles descobriram que a tirzepatida altera a forma como os contraceptivos orais são absorvidos, tornando-os potencialmente menos eficazes.

Acompanhe tudo sobre:OzempicNovo Nordisk

Mais de Ciência

Ozempic pode desenvolver rara forma de cegueira, apontam médicos dos EUA

FDA aprova novo medicamento para tratar Alzheimer

Uso de garrafa plástica pode aumentar risco de diabetes tipo 2, diz estudo

Colisão de asteroides é flagrada pelo telescópio James Webb

Mais na Exame