Negócios

Como a dona do Ozempic está se reinventando para atender a demanda por seus medicamentos

Empresa enfrenta versões falsas dos remédios e pressão de congressistas para redução de preços

Ozempic: ninguém previu esse crescimento, diz executivo (GettyImages)

Ozempic: ninguém previu esse crescimento, diz executivo (GettyImages)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 21 de abril de 2024 às 15h18.

Lars Fruergaard Jorgensen, diretor executivo da Novo Nordisk, tem um problema: Muitas pessoas querem o que ele está vendendo.

Por todos os Estados Unidos, os medicamentos para diabetes e perda de peso da Novo Nordisk, Ozempic e Wegovy, dispararam para o status de celebridade e ajudaram a tornar a empresa a mais valiosa da Europa. Só que eles não conseguem produzir os medicamentos suficientemente.

O problema de Jorgensen é algo que muitos executivos de alto escalão não se importariam, mas o sucesso o pegou de surpresa. No ano passado, quando a empresa comemorava seu centenário, a receita da Novo Nordisk cresceu um terço, para 232 bilhões de coroas dinamarquesas, ou US$ 33 bilhões.

– Ninguém previu esse crescimento. Nenhum analista, ninguém na empresa. Ninguém previu que uma empresa de 100 anos cresceria mais de 30% – disse ele, em uma entrevista recente na sede da empresa, nos arredores de Copenhague, aparentemente dividido entre o orgulho e espanto.

Durante a maior parte de seus 100 anos, a Novo Nordisk esteve focada no negócio constante de tratar diabetes, uma das doenças crônicas mais prevalentes do mundo. Ainda hoje, ela produz metade da insulina mundial.

Mas o desenvolvimento do Ozempic e Wegovy levou a uma ambição maior e mais ousada de "derrotar doenças crônicas graves". Isso inclui tratar, e até mesmo prevenir, a obesidade, que está ligada a outros problemas de saúde como doenças cardíacas e renais.

Ao buscar um alvo muito maior do que a diabetes, a empresa espera abrir as portas para um mercado de bilhões de dólares com quase um bilhão de pacientes em potencial. Apenas nos Estados Unidos, mais de 40% dos adultos estão obesos.

E assim a fabricante de medicamentos dinamarquesa está passando por mudanças grandes — está ficando maior, mais internacional e mais próxima do calor dos holofotes.

Jorgensen está tentando aumentar a produção para atender à enorme demanda por seus medicamentos para perda de peso, permanecer à frente da concorrência da Eli Lilly e outras empresas, além de tentar garantir o futuro da empresa para que ela possa alcançar seu objetivo ambicioso.

Mas, em meio a todo o tumulto, há algo que os executivos estão tentando manter: os valores de longa data da empresa, codificados no "Modo de Atuação Novo Nordisk".

Esses princípios, que incluem ter uma "abordagem de negócios centrada no paciente", ajudaram a empresa a ganhar uma boa reputação em casa, onde é considerada um lugar onde as pessoas se orgulham de trabalhar.

Mas esses princípios estão enfrentando pressão à medida que dezenas de milhares de novos funcionários são contratados, legisladores denunciam a fabricante de medicamentos por seus altos preços e versões falsificadas de seus produtos adoecem as pessoas.

Ozempic

A sede da empresa é uma homenagem às suas raízes: um prédio branco circular moderno de seis andares inspirado na estrutura molecular da insulina. Uma escadaria espiralada em torno de um átrio aberto. No último andar, o CEO e a equipe executiva compartilham um escritório de plano aberto.

– Muitos de nós estamos aqui há muito tempo – disse Jorgensen, 57 anos, enquanto uma tempestade de neve ganhava força fora da sede.

Ele trabalha na Novo Nordisk há mais de três décadas e se tornou diretor executivo em 2017, um período turbulento quando o mercado de insulina estava sob pressão:

– Três advertências de lucro em um ano, e o preço das ações havia caído 40%.

Cerca de um ano depois, o Ozempic chegou ao mercado. Agora a Novo Nordisk consistentemente supera as expectativas dos investidores.

No verão passado, ela ultrapassou o grupo de luxo francês LVMH Moët Hennessy Louis Vuitton para se tornar a empresa mais valiosa da Europa. Seu valor de mercado ultrapassa US$ 555 bilhões.

Para aqueles no sexto andar, que subiram pelas fileiras de uma empresa que se concentrava em insulina, as mudanças estão chegando rapidamente.

– Agora são novos pacientes; uma nova apresentação de produtos; às vezes novas moléculas. É um sistema de gestão completamente diferente, digamos, e cadeia de suprimentos que são necessários. – disse Jorgensen.

O cerne do crescimento é o semaglutide, a versão sintética da Novo Nordisk de um hormônio conhecido como peptídeo semelhante ao glucagon 1, ou GLP-1, que ajuda o corpo a regular os níveis de açúcar no sangue.

A patente desenvolvida pela empresa também se mostrou notavelmente eficaz para perda de peso. Ela faz as pessoas se sentirem mais cheias quando comem e reduz os desejos.

O semaglutide revigorou a fortuna da Novo Nordisk. Há algumas décadas, a empresa estava ficando para trás de seus pares internacionais, com testes médicos fracassados de insulina e pouca inovação.

E então a insulina começou a secar como fonte de lucros, à medida que os legisladores dos EUA impuseram limites de preços e os fabricantes de medicamentos foram obrigados a pagar maiores descontos.

O Ozempic, o nome comercial para o semaglutide, uma injeção semanal para pacientes com diabetes tipo 2, existe há mais de seis anos. Mas nos últimos anos, houve uma explosão de popularidade, ajudada por uma publicidade intensa, vídeos em redes sociais e intriga sobre o uso por celebridades.

Elon Musk disse que usou, e no Oscar do ano passado Jimmy Kimmel fez uma piada sobre isso. Vídeos do TikTok marcados com Ozempic têm mais de um bilhão de visualizações, com pessoas documentando sua perda de peso.

Conforme o Ozempic começou a decolar, a Novo Nordisk avançou com o Wegovy, que é o semaglutide comercializado especificamente para perda de peso. Em meados de 2021, quando foi aprovado pela FDA, a Anvisa americana, a empresa dinamarquesa sabia que tinha "algo especial", disse Camilla Sylvest, vice-presidente executiva de estratégia comercial e assuntos corporativos.

A Novo Nordisk lidera o grupo no tratamento da obesidade, mas agora tem forte concorrência da Eli Lilly, que vende um medicamento similar sob as marcas Mounjaro, para diabetes, e Zepbound, para perda de peso. Outras empresas farmacêuticas estão se esforçando para acompanhar.

De longe, a maioria das pessoas que usam Ozempic (dois terços de suas vendas no ano passado) e Wegovy (quase todas as suas vendas) está nos Estados Unidos. Isso ocorre em parte porque os medicamentos tendem a ser introduzidos primeiro nos Estados Unidos.

Isso significa que os dinamarqueses essencialmente têm os americanos para agradecer por seu crescimento econômico. A expansão da indústria farmacêutica, principalmente devido à Novo Nordisk, foi responsável por todo o crescimento econômico da Dinamarca no ano passado.

Preços altos, críticas fortes

O custo desses medicamentos, no entanto, tornou a Novo Nordisk um alvo.

– Não há razão racional, exceto ganância, para a Novo Nordisk cobrar dos americanos quase US$ 1.000 por mês pelo Ozempic – disse o senador americano Bernie Sanders, no mês passado.

Um crítico frequente dos altos preços dos medicamentos, ele disse que os canadenses pagam US$ 155 por mês e os alemães apenas US$ 59.

Ozempic poderia ser um "mudança de jogo" na luta contra diabetes e obesidade, acrescentou Sanders, mas "este preço absurdamente alto tem o potencial de falir o Medicare, o povo americano e todo o nosso sistema de saúde."

Embora o preço de lista nos EUA para Ozempic seja um pouco menos de US$ 1.000 por mês e cerca de US$ 1.350 para Wegovy, a Novo Nordisk diz que a maioria dos pacientes americanos paga US$ 25 ou menos por Wegovy.

Grande parte do restante do custo é arcada por planos de seguro, e alguns têm sido sobrecarregados. Neste mês, diante de custos crescentes, a Carolina do Norte parou de fornecer cobertura de seguro para medicamentos para obesidade para funcionários estaduais.

Mesmo o serviço nacional de saúde da Dinamarca não vai subsidiar o Wegovy, argumentando que não é economicamente viável.

Jorgensen argumenta que altas taxas de obesidade levam a enormes custos médicos, e que medicamentos para acabar com a obesidade acabam economizando dinheiro.

– Os sistemas de saúde estão desafiados, com populações envelhecendo. Eles vão quebrar a menos que façamos algo sobre a obesidade.

Modo de atuação Novo Nordisk

Embora as instalações de produção da empresa operem 24 horas por dia, 365 dias por ano, a oferta limitada de Ozempic e Wegovy deve durar vários anos ainda, preocupando diabéticos enquanto falsificações estão infiltrando no mercado.

A capacidade de produção é uma dor de cabeça recorrente. A Novo Nordisk tem mais de 64.000 funcionários, e congestionamentos do lado de fora de seus prédios são comuns. Na sede em Bagsvaerd, quem chega após 9h pode ter dificuldade em encontrar uma mesa.

Por isso, a Novo Nordisk está no meio de se reinventar. Gruas e trabalhadores da construção civil desceram sobre seus locais à medida que ela gasta mais de US$ 6 bilhões este ano para expandir a fabricação, quase quatro vezes o valor que gastou apenas dois anos atrás.

A empresa está comprando mais espaços para produção e adquirindo escritórios na Dinamarca. Mais de 10.000 pessoas foram contratadas no ano passado em todo mundo e a empresa está se tornando mais internacional — especificamente americana — à medida que expande os escritórios de pesquisa em Cambridge, Massachusetts, e compra empresas de biotecnologia menores.

O CEO Lars Jorgensen também está tentando transformar a mentalidade dentro da empresa. Há alguns anos, ele reuniu executivos em um retiro de treinamento chamado NNX, "Novo Nordisk Desconhecida". A pergunta essencial era: "Quais são suas próprias crenças limitantes que poderiam desencadear você, bloquear você, para realmente ousar liderar em um ambiente diferente?"

Desde então, mais de 400 gerentes passaram por este programa, destinado a ajudá-los a acompanhar o rápido crescimento da empresa.

Até que o suprimento de medicamentos possa corresponder melhor à demanda, diz a empresa, é preciso tomar decisões difíceis sobre como determinar quem recebe o que está disponível.

Sylvest diz que é guiada pelo 'Modo de atuação Novo Nordisk', introduzido no final da década de 1990. Ele inclui 10 princípios, como "somos curiosos e inovamos para o benefício dos pacientes e da sociedade em geral" e "construímos e mantemos boas relações com nossos stakeholders".

– De uma forma ou de outra sempre nos ajuda ter essas essenciais sobre o que é a coisa certa a fazer.

A Novo Nordisk, acrescentou ela, não quer apenas vender onde os preços são mais altos — nos Estados Unidos — mas expandir o acesso internacionalmente para pessoas de baixa renda ou com seguro insuficiente, ao mesmo tempo em que mantém os pacientes existentes no topo da lista.

Milhões de pacientes em potencial

Até recentemente, os medicamentos para obesidade tinham uma história sombria, incluindo quando o Fen-Phen teve que ser retirado das prateleiras no final da década de 1990 por causar problemas cardíacos graves.

A obesidade era "um cemitério terapêutico", disse Emily Field, analista de farmacêuticos do Barclays em Londres. Os medicamentos ou funcionavam bem e tinham efeitos colaterais ruins ou levavam apenas a uma perda de peso mediana, disse ela.

Mas a ciência mudou rapidamente, junto com a opinião pública sobre a obesidade, que é cada vez mais entendida como uma doença que pode ser tratada através de remédios, em vez de uma falta de força de vontade e dieta pobre.

A Novo Nordisk é responsável por parte dessa mudança de perspectiva. No verão passado, um estudo de cinco anos financiado por ela mostrou que seus medicamentos poderiam reduzir o risco de ataques cardíacos, derrames e doenças cardiovasculares. Isso é "o que realmente colocou a Novo Nordisk no radar", disse Field.

Isso faz com que centenas de milhões de pessoas sejam pacientes em potencial. O mercado de medicamentos para obesidade poderia chegar a US$ 100 bilhões na próxima década, de acordo com o Barclays.

Até agora, a Novo Nordisk está tratando cerca de 40 milhões de pessoas globalmente com seus tratamentos para diabetes e perda de peso.

O fim da obesidade?

As patentes nos EUA do Ozempic e Wegovy não expiram até 2032, mas a Novo Nordisk já está trabalhando em novos tratamentos. Ela está em estágio avançado de desenvolvimento do CagriSema, uma injeção semanal que se espera ser mais eficaz do que o Wegovy para perda de peso.

No mês passado, o preço das ações disparou após resultados iniciais de ensaios clínicos para um comprimido oral de outro tratamento para perda de peso.

Conforme a empresa mergulha mais fundo na obesidade, que é definida como um índice de massa corporal acima de 30, a próxima pergunta é se a fabricante de medicamentos dinamarquesa pode prevenir a obesidade. Será que ela pode prever quem está em risco, com base em genética e dados, e tratá-los primeiro?

No ano passado, a Novo Nordisk estabeleceu a 'Unidade de Prevenção Transformadora', uma equipe interna procurando maneiras de prever e prevenir a obesidade.

Não todos estão comprando a empolgação. Por mais de quatro anos, o Jefferies tem uma classificação negativa de "desempenho abaixo da média" nas ações da Novo Nordisk.

Peter Welford, analista do banco em Londres, acha que os medicamentos para obesidade se tornarão comuns e intercambiáveis, sofrendo o mesmo destino da insulina, com volumes maiores e pressão sobre os preços líquidos.

– No final das contas, achamos que a Novo Nordisk precisa se diversificar – disse Welford. Mas a aposta do banco de que o preço das ações da Novo Nordisk está muito alto até agora não deu certo.

– Claramente nós estávamos errados – disse.

Acompanhe tudo sobre:OzempicNovo Nordisk

Mais de Negócios

A malharia gaúcha que está produzindo 1.000 cobertores por semana — todos para doar

Com novas taxas nos EUA e na mira da União Europeia, montadoras chinesas apostam no Brasil

De funcionária fabril, ela construiu um império de US$ 7,1 bilhões com telas de celular para a Apple

Os motivos que levaram a Polishop a pedir recuperação judicial com dívidas de R$ 352 milhões

Mais na Exame