A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

O futuro no espaço é maior que Jeff Bezos, Richard Branson ou Elon Musk

Empresas espaciais, incluindo as dirigidas por proeminentes magnatas, podem desbloquear benesses tecnológicas e científicas para milhões de pessoas

Richard Branson já viajou ao espaço. Jeff Bezos também. Os ricos já fizeram esse tipo de coisa antes, mas Branson e Bezos não pagaram apenas pela viagem –  eles pagaram pelas espaçonaves. Os indivíduos, se forem ricos o suficiente, não mais dependerão dos governos quando quiserem deixar o planeta por algum tempo.

Essas duas viagens geraram uma quantidade enorme de cenas. Algumas celebraram a engenharia e a persistência necessárias para levar um grupo de seres humanos ao espaço e trazê-los de volta com segurança, ou a maravilha de ultrapassar os limites da possibilidade. Principalmente, no entanto, esse momento se mostrou como uma ocasião irresistível para compensar as frustrações de alguns bilionários fazendo proezas bilionárias em vez de concentrar seus recursos na pandemia, ou na mudança climática, ou qualquer uma das outras contínuas crises aqui na Terra. Pessoas estão morrendo. O planeta está em frangalhos. Talvez esses caras, e seu colega bilionário e entusiasta do espaço Elon Musk, devessem guardar seus falos espaciais por algumas décadas e se concentrar em algumas de nossas preocupações mais imediatas.

Por volta da virada do século, quando as respectivas empresas espaciais dos três homens estavam apenas começando, elas representavam a evidência de que esses tipos de novos-ricos estavam sonhando alto demais. Agora, apesar de alguns legítimos argumentos sobre taxas de impostos eficazes e quem orienta as políticas públicas, são os críticos que estão pensando muito pouco. As viagens bilionárias para o espaço são apenas os objetos mais brilhantes e cintilantes em um espectro muito maior.

Após décadas de falsos começos, a órbita da Terra e pontos além já estão sendo comercializados a uma velocidade incrível por dezenas de empresas privadas. A disposição de Branson e Bezos de passear em suas próprias espaçonaves equivale a pouco mais do que um endosso de que seus foguetes são seguros o suficiente para eles assumirem a façanha e, mais especificamente, que o espaço sideral está aberto para negócios. Mesmo que Bezos decidisse desistir de seu voo espacial em 20 de julho, outras pessoas continuarão indo para o espaço, possivelmente aos milhares, junto com dezenas de milhares de máquinas projetadas para mercantilizar ainda mais os céus. O que acontecerá acima de nossas cabeças será uma das histórias econômicas e tecnológicas mais importantes da próxima década, independentemente de Musk se estabelecer ou não em Marte.

Aqui estão apenas algumas das histórias recentes menos comentadas da indústria espacial privada. Primeiro foi a estreia no mercado de ações de uma empresa chamada Astra Space, que, apoiada por capitalistas de risco, construiu um foguete orbital viável em apenas alguns anos. Seu objetivo é colocar satélites em órbita todos os dias. Pouco depois que a Astra abriu seu capital no valor de US$ 2.1 bilhões, o fabricante de satélites Planet Labs – que usa centenas de sondas no céu para fotografar diariamente toda a massa de terra da Terra – anunciou seus planos de fazer a mesma coisa, em um investimento de US$ 2.8 bilhões. A Firefly Aerospace tem um foguete em uma plataforma da Califórnia aguardando autorização para o lançamento. A OneWeb e a SpaceX de Musk estão regularmente lançando satélites destinados a cobrir o planeta com acesso de alta velocidade à Internet. O Rocket Lab, na Nova Zelândia, antes sem espaçonaves, está planejando missões para a Lua e Vênus.

O frenesi dos SPACs tem sido particularmente bom para a indústria espacial privada, incluindo algumas das empresas mencionadas acima. O acesso mais fácil aos mercados públicos ajudou a atrair bilhões de dólares de investidores entusiasmados para uma indústria antes dependente de governos com objetivos militares vagos ou grandes projetos de obras públicas. Como resultado parcial dessa corrida, o número de satélites orbitando a Terra está projetado para aumentar de cerca de 3.400 para algo entre 50.000 e 100.000 na próxima década ou mais – isso se essas empresas apenas atenderem todos os pedidos que receberam até agora.

É provável que as estimativas caiam um pouco, uma vez que esses tipos de cifras exigiriam que foguetes fossem disparados um após o outro de movimentados espaçoportos privados em todo o globo com extrema frequência. Mas seja qual for o momento exato, a mensagem permanece inalterada: o espaço sideral privado está ao nosso alcance. A corrida do turismo espacial deste mês é apenas uma amostra da velocidade de escape em um conjunto de mudanças muito maior e mais transformador. Os resultados dessas mudanças serão imprevisíveis, exceto que o ego e a ganância provavelmente estarão presentes como sempre. No entanto, as evidências não comprovadas sugerem que devemos considerar a possibilidade de que essa indústria emergente possa dar certo.

Para entender a que distância o espaço sideral privado já chegou e onde a real atividade já está, é preciso olhar para Decker Eveleth, que, até várias semanas atrás, era um aluno anônimo do Reed College em Portland, Oregon. (Um problema de saúde atrasou em alguns meses sua formatura). Eveleth é um típico estudante universitário, exceto que, por diversão, ele vasculha imagens de satélites em busca de estoques de armas e outras infraestruturas militares. No mês passado, ele avistou o que parece claramente ser mais um arsenal de 100 silos de mísseis balísticos intercontinentais em um deserto no norte da China, dando crédito a rumores de que o país está construindo armas nucleares em grande escala.

Eveleth ficou sabendo disso por seu mentor, Jeffrey Lewis, especialista em controle de armas nucleares que se especializou nesse tipo de reconhecimento acessível ao público, comumente conhecido como inteligência de código aberto. Em maio, Lewis pediu ao jovem para ver o que ele conseguiria encontrar. Com base em uma descoberta anterior, Eveleth sabia que os militares chineses às vezes escavavam um local para construir silos, depois os cobriam com estruturas infláveis ​​semelhantes às pequenas tendas brancas usadas para esportes internos. (Lewis as chama de “casas da morte infláveis ​”.) Eveleth foi atrás de outras dessas tendas. “Tive de fazer uma série de suposições”, diz ele. “Presumi que seria no norte da China porque lá há muita atividade. Também presumi que seria em áreas agradáveis ​​e planas com terreno de alta qualidade”.

O estudante pesquisou imagens de satélite que abrangiam milhares de quilômetros de deserto chinês. Até muito recentemente, dificilmente tais imagens existiriam nesse território. Os satélites convencionais para obtenção de imagem são caros e geralmente precisam ser apontados com precisão para discretas áreas de grande interesse. Os modelos muito menores e mais baratos da Planet Labs, voltados para a cobertura global, há muitos anos vêm tirando fotos da área que Eveleth queria. Ele criou um mapa em grade e trabalhou nele por mais de um mês até localizar uma coleção de cerca de 120 tendas em um único local. Em seguida, classificou as imagens dessa área por data para ver uma descrição detalhada da limpeza e construção no local. “Sabíamos que era algo muito importante”, disse ele.

Na manhã de 27 de junho, Eveleth e Lewis pediram à Planet Labs para tirar algumas fotos em alta resolução do local. Os engenheiros da empresa reorientaram os satélites mais importantes usando sinais de rádio de estações terrestres e, apenas 24 horas depois, a dupla pôde ver imagens muito mais claras das tendas, bem como trincheiras para cabos de comunicação que saíam daquilo que pareciam ser instalações de operações subterrâneas. No início de julho, Lewis levou a descoberta de Eveleth à imprensa. O Departamento de Estado dos EUA classificou a notícia como "preocupante". A mídia estatal chinesa disse que o local era apenas um parque eólico em construção, mas as imagens de outra startup de satélite, a Capella Space, desmentiram essa explicação. Os sistemas da Capella, baseados em um tipo especial de radar, pareciam mostrar um escoamento de líquido saindo das cúpulas e uma série de estruturas metálicas normalmente usadas para armazenar armas.

É difícil superar o grande avanço que esses detetives particulares representam. Quando os EUA foram ao espaço em busca de armas soviéticas de destruição em massa no final dos anos 1950, tiveram que usar foguetes para transportar enormes satélites para a órbita, onde tiraram fotos e jogaram seus recipientes de filme de volta à Terra para serem, incrivelmente, pegos no ar por aviões. Mais louco ainda, isso às vezes funcionava. Mas o esforço custou uma década de tentativa e erro por parte dos principais cientistas e empresas dos EUA, além de equipes de centenas de pessoas para examinar as fotos ultrassecretas. Eveleth estava apenas fuçando em seu laptop nas horas vagas, e qualquer outra pessoa poderia ter feito a mesma coisa. “Antes, o governo tinha satélites e nós não”, diz Lewis. “Agora eles têm satélites ligeiramente melhores. OK, isso é bom para o cidadão, mas não importa muito”.

Os argumentos contra a teoria das viagens espaciais agora tendem a se concentrar na aparente frivolidade do turismo orbital. O Los Angeles Times resumiu essa linha de raciocínio com a manchete de um artigo do talentoso escritor Michael Hiltzik: “A corrida espacial Bezos-Branson-Musk é um enorme desperdício de dinheiro e cientificamente inútil.” Hiltzik continuou, descartando a recente onda de avanços como meras buscas de emoções e distrações. Deixando de lado o fato de que as pessoas ainda gastam vários bilhões de dólares todos os anos assistindo esportes e jogando videogames, exemplos como o de Eveleth são um bom indicador de que os avanços tecnológicos nem sempre são proposições lineares e que ainda há valor na ciência pura em si, mesmo que os futuros dividendos sejam desconhecidos.

Além de procurar por sinais de proliferação nuclear, os clientes estão usando a rede de satélites da Planet para rastrear a saúde das colheitas, as emissões das fábricas e a destruição da floresta tropical. (Os usos mais assustadores de redes privadas de satélite, é claro, precisam de um exame mais minucioso.) Os serviços de internet via satélite da SpaceX e da OneWeb têm o potencial de servir bilhões de pessoas que não conseguem acesso à banda larga de outra maneira. O sucesso da Rocket Lab, empresa criada por um indivíduo sem diploma universitário que aprendeu sozinho a engenharia necessária em um galpão, também fala dos potenciais efeitos democratizantes dos empreendimentos espaciais privados. As pessoas ricas, que podem usufruir da gravidade zero são uma parte relativamente pequena desse quadro mais amplo.

Evidentemente que empresas exploradoras do espaço sideral ainda parecem propostas altamente arriscadas, com potencial lucro, mas longe de serem garantidos. Mesmo que empresas como a SpaceX, Rocket Lab e Planet sejam avaliadas em bilhões de dólares, elas ainda precisam mostrar que podem obter lucros em órbita tão facilmente quanto os empreendimentos com mais tecnologia flywheel da Terra. O espaço sideral, como todos no segmento gosta de dizer, é difícil. Mas o novo grupo de empresas espaciais, incluindo aquelas dirigidas por alguns proeminentes magnatas está tentando descobrir isso e as recompensas potenciais são muito maiores do que uma ocasional descarga de adrenalina.

Os seres humanos nunca param de se surpreender quando a imaginação e a engenhosidade ganham novos territórios para brincar e explorar. Desmerecer os passeios suborbitais ou as viagens à lua, é literalmente perder o objetivo dos exercícios. Sim, enfrentamos grandes problemas. Mas esses problemas não serão resolvidos por pessoas que se voltam para si mesmas para lamentar nossa situação coletiva. Teremos uma chance muito melhor quando as pessoas estiverem admiradas olhando para cima e se perguntando "O que vem a seguir?"

Não perca as últimas tendências do mercado de tecnologia. Assine a EXAME.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também