Esta empresa já está pronta para descobrir se existe vida em Vênus

A companhia Rocket Lab, com sede em Long Beach, na Califórnia, nos Estados Unidos, já está trabalhando em uma missão para chegar ao planeta

Nesta segunda-feira, 14, cientistas descobriram uma substância que pode indicar que existe algum tipo de vida em Vênus (micróbios, para sermos mais exatos). Enquanto Elon Musk quer colonizar Marte, e Jeff Bezos quer que 3 trilhões de pessoas vivam no espaço, uma empresa fundada na Nova Zelândia quer entender a vida extrarrestre de uma outra forma.

A companhia Rocket Lab, com sede em Long Beach, na Califórnia, nos Estados Unidos, já está trabalhando em uma missão para chegar a Vênus. A ideia é que um satélite pequeno, chamado de Photon, deva ser lançado ao espaço já em 2023.

“A missão é para irmos e ver se conseguimos achar vida lá. Obviamente, a descoberta da fosfina realmente adiciona uma força a essa possibilidade, então acho que precisamos ir até lá dar uma olhada”, disse o presidente e fundador da companhia, Peter Beck, em entrevista ao jornal americano The New York Times.

A fosfina, um gás altamente tóxico, é composto por hidreto de fósforo e é comumente utilizado em inseticidas na Terra, uma vez que não é encontrado em seu estado natural por aqui. Não se sabe a origem da substância em Vênus, mesmo depois de várias análises e mais estudos devem ser feitos para garantir a descoberta, que não deixa de ser um marco importante para a ciência. Segundo os cientistas, a fosfina na Terra é produzida por micróbios anaeróbicos (sem oxigênio) — e o mesmo pode ser verdade para o planeta quente, que beira os 462,2º graus celsius. Os astrônomos ainda não coletaram espécimes de micróbios de Vênus e não têm imagens deles.

Segundo o NY Times, a Rocket Lab já lançou diversos foguetes ao espaço e colocou pequenos satélites para companhias privadas, para a Nasa e também para a força militar americana. Uma missão para chegar à Lua em conjunto com a Nasa também está agendada para ser lançada no começo de 2021.

Mas a ideia da Rocket Lab de chegar a Vênus não começou depois da descoberta da fosfina por lá. Desde o ano passado a ideia era enviar uma sonda espacial para o planeta quente, a fim de entender melhor como é a superfície dele — pouco explorada até o momento. O plano da empresa é desenvolver a missão totalmente em casa e investir completamente nela por si só, com o custo de 10 milhões de dólares. A espaçonave de fotóns pesa quase 300 quilos, e foi testada primeiramente na Lua neste mês, deve ser lançada para Vênus quando o planeta se alinhar à Terra, segundo o NY Times. A espaçonave deve passar diretamente pelo planeta, mas deve “deixar cair” a sonda espacial que irá investigar melhor o planeta.

Vale lembrar que Vênus é o planeta mais quente do nosso sistema solar, mesmo Mercúrio estando mais próximo do Sol. E é claro: a pressão do ar na superfície do planeta é cerca de 90 vezes mais forte do que a terrestre.

Atualmente apenas uma única sonda está no planeta, a japonesa Akatsuki, que conseguiu entrar com sucesso na órbita de Vênus em 2015. A sonda foi lançada em maio de 2010 com seis tipos de equipamento de observação, com objetivo de estudar as espessas nuvens sulfúricas que envolvem o planeta — e demorou cinco anos para alcançar a órbita venusiana.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Deseja assinar e ter acesso ilimitado?

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.