É “tarde demais” para zerar emissão de gases até 2050, alertam cientistas

Em novo relatório, o Conselho Consultivo de Crise Climática adverte que o mundo não atingirá as metas estabelecidas no Acordo de Paris, cujo objetivo é limitar o aquecimento global a 1,5 °C até o final do século

Em novo relatório, o Conselho Consultivo de Crise Climática (CCAG ou, em inglês, Climate Crisis Advisory Group) adverte que agora é "tarde demais" para chegar a zero emissões de gases de efeito estufa até 2050.

O CCAG também alertou que o mundo não atingirá as metas estabelecidas no Acordo de Paris, cujo objetivo é limitar o aquecimento global a 1,5 °C até o final do século.

Divulgado pela Agência Bori, o relatório foi feito de forma independente pelo CCAG, que reúne 15 especialistas do clima de dez países diferentes, com a missão de impactar na tomada de decisão sobre a crise climática.

A pesquisa leva em consideração as recentes descobertas publicadas no novo relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês). 

Nele, os cientistas trouxeram um dado alarmante: os seres humanos são responsáveis por um aumento de 1,07 °C na temperatura do planeta.

Além disso, o relatório deixa claro que as metas de emissões globais atuais são inadequadas e que estratégias de emissões negativas são necessárias.

“Hoje, com 1,1 °C de aquecimento, vivenciamos eventos climáticos extremos e devastadores que, mesmo sem mais emissões de gases de efeito estufa, se agravarão devido à inércia do sistema climático", disse a equipe do CCAG em relatório.

O que mostra o novo relatório do CCAG?

A pesquisa sugere que há pouco tempo para converter o que já foi feito. Mesmo que os países atinjam zero emissões líquidas de CO2 até 2025, o CO2 já presente na atmosfera pode chegar a até 540 partes por milhão (ppm).

Para comparação, no Acordo de Paris foi estabelecida a meta de limitar o CO2 na atmosfera a 450 ppm, o equivalente ao aquecimento médio global de menos de 1,5 °C.

O CCAG afirma que tal estimativa já não serve mais: "Se devidamente considerarmos todos os gases de efeito estufa, e sua equivalência de CO2, o limite de 450 ppm já foi ultrapassado, contradizendo a noção generalizada de um "orçamento de carbono" que ainda poderia ser gasto."

Faltando quase dois meses para a COP26, Conferência sobre Mudanças Climáticas da ONU, o CCAG pede aos líderes globais que comecem a focar em emissões negativas, única forma de garantir que os níveis de gases de efeito estufa retornem aos níveis pré-industriais.

Portanto, a próxima década será decisiva. Caso mudanças sejam implementadas, elas devem impactar futuras gerações por séculos ou até milênios e se nada for feito, tudo indica que vamos atingir 1,5 °C a mais na temperatura global em nove anos.

“Alcançar emissões zero até 2050 não é mais suficiente para garantir um futuro seguro para a humanidade; devemos revisar as metas globais e nos comprometermos com estratégias negativas de emissão de gases de efeito estufa urgentemente”, comenta David King, ex-conselheiro de ciência do Reino Unido que encabeça o CCAG, à Bori.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também