CRISPR pode ser útil contra mudança climática, diz criadora do método

Método de edição de código genético levou a Prêmio Nobel de 2020 e, de acordo com uma das inventoras, pode impactar na agricultura e no futuro do meio ambiente
 (Christopher Michel/MIT Technology Review/Reprodução)
(Christopher Michel/MIT Technology Review/Reprodução)
Por Laura PanciniPublicado em 27/04/2022 14:03 | Última atualização em 27/04/2022 14:03Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Jennifer Doudna, uma das inventoras do CRISPR, método inovador de edição do código genético, acredita que as técnicas por trás de sua criação podem um dia ajudar na luta contra as mudanças climáticas e outros desafios da humanidade.

Quais são os maiores desafios da ciência? Descubra ao assinar a EXAME: menos de R$ 11/mês.

Doudna recebeu o Prêmio Nobel ao lado da colega Emmanuelle Charpentier pela descoberta em 2020. A edição genética CRISPR (em português, sua sigla significa “Repetições Palindrômicas Curtas Agrupadas e Regularmente Interespaçada”) funciona como uma espécie de tesoura, que consegue editar sequências do DNA.

A ferramenta procura, corta e separa a parte problemática do DNA, depois a substitui ou deixa os genes se regenerarem sozinhos. O CRISPR é revolucionário porque pode ajudar a impedir o desenvolvimento de doenças hereditárias, mas também causa preocupações em debates sobre ética e quais seriam os limites da edição com o avanço da tecnologia.

Jennifer Doudna e Emmanuelle Charpentier

Jennifer Doudna (esquerda) e Emmanuelle Charpentier (direita): as criadoras da técnica de edição genética CRISPR receberam o prêmio Nobel 2020 pela invenção (Alexander Heinel/Picture Alliance/DPA/Getty Images)

CRISPR e o meio ambiente

Em entrevista ao MIT Technology Review, Doudna disse que o CRISPR pode ser usado para “aumentar” a capacidade das comunidades microbianas no solo ou na água “para a captura de carbono”.

“Existe muito foco nos usos médicos clínicos do CRISPR”, disse. “No entanto, suspeito que na próxima década, quando pensarmos no impacto global e no impacto na vida cotidiana, é aí que os usos [do CRISPR] na agricultura e até mesmo para lidar com as mudanças climáticas terão um impacto muito mais amplo.”

A ideia tem potencial, mas também está “mais distante”, de acordo com Doudna. Ela também existe há algum tempo: melhorar geneticamente a capacidade das plantas de puxar dióxido de carbono, por exemplo, vem sendo estudado há alguns anos.

Além disso, o CRISPR poderia adaptar às plantas para sobreviver caso a temperatura global suba e seja necessário enfrentar os efeitos das mudanças climáticas.

VEJA TAMBÉM

Pesquisa da USP e do Sírio alerta para mais variantes do coronavírus

Como um dinossauro brasileiro desencadeou um movimento mundial