Ciência

Como evitar alergias durante o inverno? Veja dicas para se preparar

Época de inverno favorece o aumento das doenças alérgicas, como a rinite, a bronquite e a asma

Vídeo em câmera lenta mostra como um espirro pode espalhar a covid-19 (CSA Images/Getty Images)

Vídeo em câmera lenta mostra como um espirro pode espalhar a covid-19 (CSA Images/Getty Images)

Edicase
Edicase

Agência de notícias

Publicado em 1 de junho de 2023 às 05h50.

Com a proximidade do inverno, passar mais tempo em locais fechados e a maior incidência de gripes e resfriados são algumas das causas que favorecem o aumento das doenças alérgicas, como a rinite, a bronquite e a asma.

“As principais causas de alergias respiratórias são, em primeiro lugar, a predisposição genética, que é determinante. Dos alérgenos ambientais, os ácaros são os mais frequentemente envolvidos nas reações alérgicas, especialmente as respiratórias, seguidos pelos pólens, pelos de animais e o mofo”, enumera a Dra. Adriana Vidal Schmidt, médica alergista.

Tratamentos contra alergias

A alergia é uma doença crônica, por isso ela costuma apresentar períodos de melhora e de piora ao longo dos anos. “O principal tratamento é afastar os alérgenos envolvidos e usar medicações preventivas por longos períodos, dentre as quais damos preferência ao uso de medicações de ação local (os corticoides tópicos nasais, no caso da rinite; os inalatórios, no caso da asma), aliadas ao uso de medicamentos antialérgicos (anti-histamínicos) por via oral, conforme necessidades individuais”, explica a Dra. Adriana Vidal Schmidt.

Em alguns casos de alergias respiratórias, é possível realizar o tratamento com vacinas específicas, injetáveis, com o objetivo de promover, a longo prazo, a redução dos sintomas de maneira mais duradoura. Entretanto, as indicações específicas de tratamentos e a avaliação de cada caso só poderão ser feitas por um médico especialista.

Como evitar as crises alérgicas?

Algumas atitudes podem ser tomadas visando evitar o aumento de crises durante os períodos de frio. “A vacina para gripe está indicada em todas as faixas etárias e irá prevenir quadros virais mais graves, com febre alta, calafrios, mal-estar e os quadros mais debilitantes, sendo especialmente indicadas nas crianças menores e nos idosos”, explica a médica.

Para outros tipos de doenças, a vacina também pode ser indicada. “Como a asma é mais comumente desencadeada por infecções virais do que bacterianas, indiretamente, com a vacinação, reduzimos estes casos”, conclui a médica alergista. Além disso, evitar locais fechados e com muitas pessoas, retirar carpetes e bichos de pelúcia do quarto também são ações que podem auxiliar a diminuir as crises alérgicas.

Treino de natação de atletas chineses

Treino de natação: prática pode diminuir crises alérgicas (Adam Pretty/Getty Images)

Natação para melhorar a saúde

As atividades físicas são grandes aliadas no combate a doenças, pois, quando praticadas regularmente, aumentam a capacidade do sistema cardíaco e respiratório e melhoram o condicionamento físico. A natação está entre as atividades que cumpre esse papel muito bem.

“Algumas vantagens do meio líquido são a diminuição do trabalho de apoio e de sustentação do corpo, o aumento do volume cardíaco, […] favorecendo a expiração, regulação do ritmo respiratório, trabalho intenso dos membros superiores e umidade das vias aéreas superiores, importantes para alunos que são acometidos de problemas respiratórios”, esclarece Bruna Bacelar de Araujo Carvalho, professora de natação e hidroginástica.

A especialista também alerta que o condicionamento reduz a probabilidade de crise respiratória, como a asma, por causa da diminuição da necessidade ventilatória para alguma tarefa cotidiana ou exercícios físicos.

Acompanhe tudo sobre:Portal EdiCaseAlergias

Mais de Ciência

Flora intestinal distinta pode servir para o diagnóstico do Autismo, aponta estudo

Estudo sugere que expectativa de vida humana pode ter alcançado limite

Ozempic reduz risco de demência em pacientes diabéticos, revela estudo

O que causa a enxaqueca? Estudo revela nova pista sobre origem da doença

Mais na Exame