AstraZeneca deve citar coágulo “muito raro” na bula da vacina, diz Anvisa

Pedido surge após agências de outros países levantarem ressalvas

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pediu à AstraZeneca para que faça alterações na bula da vacina de Oxford. Deverá ser incluido uma advertência sobre possíveis casos muito raros de formação de coágulos sanguíneos.

Produzida pela Fiocruz, no Rio de Janeiro, a vacina caiu sobre escrutínio após a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) considerar acidentes vasculares um "efeito colateral possível".

"Uma explicação plausível para a combinação de coágulos sanguíneos e plaquetas de sangue baixas é uma reação imunológica, o que causa um problema semelhante àquele visto às vezes em pacientes tratados com heparina", disse a Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

No entanto, tanto agências locais como a Anvisa, recomendam o uso da vacina porque os benefícios superam os riscos.

Na quarta-feira (7), o órgão consultivo de vacinas do Reino Unido disse que e a injeção de Covid-19 da AstraZeneca não deve ser dada a pacientes com menos de 30 anos.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.