Casual

Tênis da Nespresso: conheça o modelo Re:Ground feito com borra de café

Item chega ao mercado no Dia Mundial da Reciclagem e reforça o compromisso da marca com a circularidade

Disponível na cor Latte, o lançamento será comercializado exclusivamente nas Boutiques Nespresso. (Divulgação/Divulgação)

Disponível na cor Latte, o lançamento será comercializado exclusivamente nas Boutiques Nespresso. (Divulgação/Divulgação)

Carolina Gehlen
Carolina Gehlen

Head of Design

Publicado em 17 de maio de 2024 às 09h12.

Última atualização em 17 de maio de 2024 às 09h39.

Começar o dia com uma xícara de café e sair correndo para um dia agitado agora é mais fácil com uma dose extra no pé. A Nespresso, empresa pioneira em cafés porcionados de qualidade sustentável, uniu-se à marca francesa de moda upcycling Zèta, que desde 2020 tem como objetivo dar um novo e melhor propósito para um material que seria descartado.

Essa parceria traz com exclusividade para o Brasil o tênis Re:Ground, feito com borra de café e material reciclado. Em edição limitada, a novidade chega ao mercado nacional no Dia Mundial da Reciclagem, celebrado hoje, 17, reforçando a importância de dar uma nova vida a qualquer material. Disponível na cor Latte, o lançamento será comercializado exclusivamente no site da Nespresso.

 “Temos buscado parceiros estratégicos ao redor do mundo e alinhados aos nossos propósitos, como a Zèta, para dar uma segunda vida aos nossos resíduos e mostrarmos aos consumidores o que acontece na prática com as cápsulas que eles levam para reciclar”, comenta Fernanda Gobbo, Head de Sustentabilidade da Nespresso Brasil.

Resultado de um ano de pesquisa da Zèta, o tênis é inovador, vegano e pet friendly. Confeccionados em uma oficina familiar em Portugal, cada par é feito com 80% de itens reciclados e sustentáveis, como: material vegetal de cereais sem pesticidas na parte superior; cadarços de plástico reciclado; palmilha removível de borra de café e cortiça reciclada, sola de borra de café e borracha reciclada e cola produzida com látex recuperado. Sua embalagem é de saco de juta e o flyer com todas as informações do produto é de papel reciclado e resíduos orgânicos de café.

O tênis Re:Ground Zèta custará R$ 799 e a venda é exclusiva pelo site da marca para clientes Ambassadors.

Reciclagem

Atualmente, a Nespresso tem em prática um programa de logística reversa, garantindo que os consumidores brasileiros tenham acesso a pontos de coleta de cápsulas, seja por meio das butiques e lojas pop-up da marca, seja por parceiros de serviço postal gratuito.

Programa de reciclagem da Nespresso: mais de 200 pontos de coleta espalhados pelo Brasil. (Leandro Fonseca/Exame)

Depois de coletadas, as cápsulas são enviadas a um centro de reciclagem, em Osasco (SP), onde o alumínio é descaracterizado e transformado em lingote, utilizado na fabricação de outras peças, como jaquetas, relógios, canivetes, enfeites para árvore de Natal, entre outros.

Já a borra do café é enviada ao programa Nespresso Hortas, sendo usado para a compostagem, transformando-se em adubo para o cultivo de hortas orgânicas, com os alimentos destinados para famílias em situação de vulnerabilidade social, contribuindo para sua segurança alimentar.

Hoje, 100% das fazendas fornecedoras para Nespresso no Brasil fazem parte do Programa Nespresso AAA de Qualidade Sustentável™, desenvolvido em 2003 em parceria com a Rainforest Alliance, para fornecer aos produtores conhecimentos e técnicas que os apoiem na produção de um café de qualidade, utilizando práticas sustentáveis. Atualmente, mais de 110 mil fazendas parceiras em 17 países participam e são auxiliados por mais de 450 agrônomos, que os ajudam a cultivar o café de forma ambiental, social e economicamente sustentável.

Acompanhe tudo sobre:Tênis (calçado)NespressoCafé

Mais de Casual

O barco de luxo que virou sensação em um evento de aviões

'Homem Prada' combina elegância minimalista e espontaneidade

Brasil lidera mercado de jatos executivos na América Latina que deve movimentar US$ 1,31 bi até 2029

Como Roger Federer vai ser lembrado no futuro? Documentário aponta seu legado

Mais na Exame