Novo design em cabines de aviões visa proteção contra covid

Capas nos encostos da cabeça e barreiras de tecido entre os assentos para evitar a propagação do coronavírus poderão ser vistas nas aeronaves

Companhias aéreas estudam mudanças nas cabines dos aviões, como capas nos encostos da cabeça e barreiras de tecido entre os assentos para evitar a propagação do coronavírus.

As aéreas, desesperadas para que os governos suspendam as restrições às viagens e os passageiros retornem, buscam maneiras de garantir ao público que sua saúde não será comprometida durante o voo. Assentos e cabines com nova aparência podem ser um começo.

A Recaro Aircraft Seating, uma das maiores empresas do ramo, elaborou uma série de modificações para manter os passageiros separados e protegê-los de infecções.

As companhias aéreas avaliam instalar o equipamento da Recaro como uma reforma temporária da cabine, de acordo com o CEO Mark Hiller. As empresas precisam de acessórios fáceis de manobrar, leves e disponíveis a curto prazo, disse.

“Há definitivamente um grande interesse de todas as regiões”, afirmou Hiller em entrevista.

Com a vacina contra o coronavírus ainda distante, companhias aéreas precisam persuadir passageiros de que é seguro voar quando alguém infectado pode estar próximo. Surtos esporádicos no mundo todo criam receio: em julho, o tráfego global caiu quase 80% em relação ao ano anterior, uma queda mais forte do que o esperado, disse a Associação Internacional de Transporte Aéreo na semana passada.

Dos aviões que continuam voando, muitos estão metade vazios. A aeronave normalmente deve ter ocupação de 70% a 80% para dar lucro. Por isso, cresce o apelo de recursos que permitam aos passageiros se sentarem lado a lado sem tocar as cabeças, encostar nos ombros ou cotovelos.

As companhias aéreas também estudam como aplicar um revestimento desinfetante desenvolvido pela Recaro nos seus assentos, disse Hiller. A empresa alemã diz que reformulou a substância para repelir vírus, incluindo o que causa a covid-19.

Embora o setor afirme há meses que há pouca chance de pegar o vírus em um avião porque há filtros de ar de grau hospitalar a bordo, esse argumento veio abaixo após surtos com origem em alguns voos.

Todos os 187 passageiros e seis tripulantes em um voo da TUI com origem no aeroporto grego de Zante com destino a Cardiff, no mês passado, tiveram que se isolar. Pelo menos 16 casos confirmados foram identificados no voo de 25 de agosto.

A Recaro, que vendeu cerca de 150 mil assentos para aeronaves no ano passado, não está imune à crise que assola a indústria da aviação, apesar da demanda potencial por seus projetos. Hiller disse que a receita deve cair quase 60% em 2020.

“Mesmo que as companhias aéreas não comprem novos aviões, elas podem optar por novas cabines mais confortáveis ou adaptadas à covid”, disse.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.