A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Guia gastronômico Michelin deixará de avaliar restaurantes brasileiros

Exclusivamente neste ano, os jurados do guia que cataloga os melhores restaurantes do mundo desde 1926 não selecionarão casas brasileiras devido à pandemia

Com a maior parte dos restaurantes brasileiros fechada entre o final de 2020 e o início deste ano, o prestigiado guia gastronômico Michelin anunciou que não foi possível avaliar as melhores casas do Brasil para elaborar a edição 2021 e distribuir as famosas estrelas.

Para selecionar os melhores restaurantes, os principais critérios adotados pelos jurados do Guia Michelin em todo o mundo são: 

  • 1- Qualidade dos ingredientes
  • 2- Domínio das técnicas culinárias
  • 3- Harmonia dos sabores
  • 4- Personalidade do chef expressa na cozinha
  • 5- Consistência tanto no menu como nas visitas regulares

Os cinco critérios são avaliados por equipes internacionais de inspetores que viajam por todos os destinos contemplados pelo guia para encontrar e reconhecer os melhores restaurantes seguindo um processo de decisão coletiva dos jurados.  

Em 2021, devido às restrições de viagens internacionais e às diretrizes internas de segurança do Grupo Michelin, o trabalho das equipes internacionais de inspetores foi inviabilizado no Brasil, disseram os organizadores.

Com a impossibilidade de realizar uma seleção com credibilidade e relevância como nos anos anteriores, o guia tomou a decisão de não lançar a seleção 2021 de restaurantes para o Rio de Janeiro e São Paulo (únicos estados brasileiros com casas contempladas com estrelas Michelin). 

“Avaliamos experiências presencialmente nos restaurantes e, adaptando-nos às situações de cada destino, precisamos preservar a qualidade de nossas recomendações e o respeito ao método de avaliação, ao mesmo tempo que asseguramos que nossas equipes realizem seus trabalhos de forma segura”, diz Gwendal Poullenec, diretor internacional do Guia Michelin. 

“Não divulgar a seleção 2021 dos restaurantes no Rio de Janeiro e em São Paulo é obviamente uma decisão difícil e uma triste notícia, não só para nossas equipes mas também para quem confia em nós e para os restaurantes. No entanto, é para manter esta relação tão especial e preciosa que temos construído com eles, que decidimos não lançar uma seleção que não refletisse fielmente a qualidade e excelência gastronômica dos restaurantes, bem como o talento de seus chefs”, completa Poullenec. 

Com a decisão, até o próximo Guia Michelin, a ser realizado em 2022, as casas brasileiras que já possuem as estrelas Michelin não terão suas distinções alteradas.

No Brasil, 14 restaurantes têm estrela Michelin: dez deles ficam em São Paulo e quatro no Rio de Janeiro.

Desses, dez estabelecimentos possuem uma única estrela e quatro casas possuem 2 estrelas: D.O.M, do chef Alex Atala; Ryo Gastronomia, de Edson Yamashita; Oteque, de Alberto Landgraf; e Oro, de Felipe Bronze. 

As melhores casas são reconhecidas em uma escala que vai de 1 a 3 estrelas Michelin. Segundo a jornalista gastronômica francesa Justine Noblecourt, “1 estrela significa um restaurante muito bom na sua categoria; 2, uma cozinha excelente que justifica um desvio durante um passeio; 3, o máximo, uma cozinha excepcional que justifica uma viagem”, disse à EXAME.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também