Casual
Acompanhe:

Dia da Sobremesa: 10 lugares para comer tiramisu em São Paulo

A sobremesa em camadas, com biscoito embebido em café e creme de mascarpone, é uma das mais representativas da Itália

Tiramisu do restaurante Donna. (Bia Fortes/Divulgação)

Tiramisu do restaurante Donna. (Bia Fortes/Divulgação)

J
Julia Storch

9 de outubro de 2022, 08h02

Responda rápido: quando se fala em confeitaria italiana, qual doce lhe vem à mente? A chance é grande da resposta ser tiramisu. A sobremesa em camadas, com biscoito embebido em café e creme de mascarpone, é uma das mais representativas do país europeu. E, apesar de toda a fama, sua origem é um tanto controversa.

A história mais aceita é a de que o tiramisu foi criado em um restaurante da região do Vêneto, o Alle Beccherie di Treviso, em 1972, quando aconteceram primeiros registros oficias. No entanto, há quem atribua seu nascimento aos bordéis da região de Veneza, que nos anos 50 passaram a oferecer o doce como uma espécie de estimulante para seus clientes, afrodisíaco até.

Para alguns estudiosos, o surgimento remonta ao século XIX, época na qual há registros de camponeses que consumiam um doce similar chamado sbatudin.

Tão variadas quanto as histórias sobre sua origem são as versões da receita. “Tiramisu é igual moqueca, cada região tem a sua forma de preparo”, compara a chef confeiteira Lara Carolina. Expert no preparo do doce, ela está à frente da Tiramisù Sossi, casa com matriz na Vila Mariana que no primeiro semestre deste ano ganhou uma filial em Pinheiros.

Há quem incorpore clara de ovos ao creme de mascarpone ou substitua o biscoito por pão-de-ló. Na receita de Lara, que reproduz a versão mais comumente aceita como a “original” (R$ 22 o copinho), entram mascarpone combinado a gema de ovos e açúcar, além de biscoito savoiardi de produção própria embebido em café e cacau em pó na finalização. “Também damos um toque de vinho Marsala, o que é tradicional em alguns lugares da Itália.” A confeiteira, no entanto, comete algumas “ousadias” e cria sabores nada usuais do doce, como pistache, avelã, chocolate branco com cereja amarena e damasco com amêndoas.

No restaurante Modern Mamma Osteria, o chef Salvatore Loi reproduz uma receita própria de tiramisu que o acompanha desde os tempos do extinto Girarrosto. Montado em um pote de vidro, tal qual uma verrine, tem suas camadas de mascarpone feitas com o acréscimo de zabaione, tradicional creme de gemas e açúcar preparado em banho-maria. Trata-se de uma invenção do chef italiano. “Fica leve e aerado”, diz ele. Não por acaso, a sobremesa, que custa R$ 32, é uma das mais pedidas da casa. “A saída é monstruosa, não posso mexer na receita.”

Situação diferente vive André Mifano, do restaurante Donna. Ali, são vendidos não mais do que apenas dez tiramisus por dia, por R$ 52 cada. Explica-se: essa é a capacidade máxima de produção da confeiteira Olivia Vieira, já que todos os ingredientes são feitos artesanalmente na cozinha da casa. “Revisitamos a receita clássica de uma forma mais moderna”, explica Mifano, que finaliza a montagem do doce com uma fina lâmina de chocolate por cima.

Lara explica que, independente da versão da receita, um dos pontos de maior importância é o café. “Normalmente, se usa a bebida preparada na cafeteira italiana ou espresso para umedecer o biscoito”, explica ela, que se vale deste último em seus preparos - mais especificamente um da marca Illy de torra médio-alta, um pouco mais intenso. “Aqui no Brasil, no entanto, é comum fazer com um coado bem forte.” O chef Loi também recorre ao espresso, mas com uma extração mais longa. “Fica suave e aromático”, defende ele. “E sem molhar muito o biscoito.” Independente da versão da receita, todos se alinham em um mesmo ponto: tiramisu bom é aquele montado na hora, bem fresquinho. Irresistível, não?

Onde comer tiramisu em São Paulo

Donna
O tiramisù do restaurante de André Mifano – além de ser feito apenas 10 unidades por dia – é feito pela chef confeiteira Olivia Vieira como uma releitura do doce clássico que recebe uma fina camada de chocolate por cima (R$ 52).
Serviço: Rua Peixoto Gomide, 1815 - Jardim Paulista. (11) 97593-9047. De segunda à quintas das 19h às 22h45, sexta das 19h às 23h30, sábado das 13h às 16h e das 19h30 às 23h

Douceur

(Rodolfo Regini/Divulgação)

A confeiteira Ludmila Nogueira oferece a sobremesa em formato família para quem quer encomendar para uma ocasião especial. O cliente pode levar a própria travessa para a montagem. Os biscoitinhos feitos pela própria chef são umedecidos por café e Amaretto. R$ 89 com 500g.
Serviço: @adouceur_doces, Portal do Morumbi (apenas para retiradas, Rua Mestre Jou, 68), São Paulo. (11) 97348-2326 e http://www.douceur.com.br

Fasano

(Bruno Gerardi/Divulgação)

A tradicional casa italiana tem no menu um dos tiramisus mais famosos da cidade. O doce é feito com mascarpone, cacau, vinho marsala e café (R$66).
Serviço: Rua Vitório Fasano, 88 - Hotel Fasano - Jardim Paulista. (11) 3896-4000 e 3062-4000.

Carrasco Bar

(Divulgação/Divulgação)

O chef confeiteiro Fernando Romão do Carrasco, bar escondido dentro do Guilhotina, tem como opção sugestão em alguns dias da semana, para quem quer terminar a refeição com um belo tiramisu na versão Eclair, com base choux, recheada de creme de café e mascarpone (R$ 32).
Serviço: Rua Costa Carvalho, 84 – Pinheiros. De terça a sábado das 19h às 00h. Reservas por DM: @ocarrascobar

Modern Mamma Osteria

(Divulgação/Divulgação)

Como não poderia deixar de ser, o chef Salvatore Loi oferece no seu restaurante com Paulo Barros a versão clássica que vai perfeitamente bem com um café (R$ 32).
Serviço: Rua Manuel Guedes, 160 – Itaim Bibi. (11) 930838387. Rua Ferreira de Araújo, 342 – Pinheiros. Horário de funcionamento: Segunda a Sexta, das 12h às 15h e das 18h30 às 23h. Sábado das 12h às 23h e Domingo, das 12 às 21h.

Tiramisù Sossi

(Divulgação/Divulgação)

A chef Lara Carolina tem uma ampla opção de sabores do doce italiano que são servidas de uma forma inédita: o cliente pode escolher, ali na hora, o sabor que é montado na hora, às vistas do cliente (R$ 22). Entre eles o tradicional, pistache, avelã, chocolate branco com amarena, caramelo salgado e damasco com amêndoas.
Serviço: Rua Marselhesa, 447- Vl Mariana. (11) 98284-3338  e Rua Mateus Grou, 15 - Pinheiros. De terça a domingo das 12h às 20h.

Negroni

O pizza-bar famoso por suas redondas, tem no seu menu – tanto delivery quanto no cardápio da casa – o tiramisu que, pelos aplicativos de entrega pode ser vendido em embalagens de até 500g. No salão a versão de 150g sai por R$ 22. (Divulgação/Divulgação)

Serviço: Rua Padre Carvalho, 30 – Pinheiros. (11) 2337-4855. De terça a quarta das 15h às 00h, quinta a sábado das 15h à 01h e domingo das 15h às 23h

Nonna Rosa

(Raul da Mota/Divulgação)

O restaurante capitaneado por Marcelo Muniz tem a opção clássica servida a xícara, na medida para quem quer terminar a refeição de boas massas: o tiramisu com biscoito, calda de café é finalizado com crumble de cacau (R$ 38).
Serviço: Rua Padre João Manuel, 950 – Jardins. (11) 2369-5542. De segunda a quarta das 12h às 16h e 19h às 23h, quinta e sexta das 12h às 16h e 19h à 00h, sábado das 12h à 00h e domingo das 12h às 17h.

Piccini Cucina

(Raul da Motta/Divulgação)

A chef Uélita Bertani também tem no seu menu italianíssimo o tiramisù feito com savoiardi embebido em café espresso, além de creme mascarpone (R$ 42).
Serviço: Rua Vitório Fasano, 49 Jd Paulista. (11) 3476-3376 / (11) 3476-3393. Reservas contato@restaurantepiccini.com. De segunda a quinta das 12h às 15h e das 19h às 00h e Sexta a Dom 12h às 16:30h e das 19h às 00h.

Feliciana Pães e Outras Histórias

A simpática padaria incrustada no estacionamento do mercado de Pinheiros tem na sua belíssima vitrine – todos os dias e durante o dia inteiro – a taça de tiramisu, tudo feito na casa, que acompanha perfeitamente com o café torrado na bola (R$ 22).
Serviço: Rua Pedro Cristi, 89 – Pinheiros. (11) 99534-2473. Horário de funcionamento: Segunda a sábado, das 8h às 18h. @feliciana.paes

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.