Com vacinação acelerada nos EUA, Disney planeja reabrir parques em abril

O CEO da Disney, Bob Chapek, afirmou que a Disneylândia pretende reabrir no final de abril com capacidade limitada na Califórnia

A Disneylândia pretende reabrir no final de abril com capacidade limitada depois que a Califórnia aliviou as restrições pela covid-19, anunciou o CEO da Disney, Bob Chapek.

O segundo parque temático mais visitado do mundo está fechado há quase exatamente um ano, com a mega atração perto de Los Angeles incapaz de reabrir no verão passado, mesmo quando outros resorts da Disney o fizeram em todo o mundo.

"Aqui na Califórnia, somos encorajados pelas tendências positivas que estamos vendo e estamos esperançosos que elas vão continuar a melhorar e seremos capazes de reabrir nossos parques para o público com capacidade limitada no final de abril", disse Chapek.

Uma data precisa da reabertura será confirmada "nas próximas semanas", acrescentou.

A declaração durante a assembleia anual de acionistas da Disney segue o anúncio de autoridades estaduais na semana passada de que os critérios de reabertura de parques temáticos e estádios ao ar livre serão relaxados a partir de 1º de abril, já que o pico de casos de coronavírus diminui rapidamente.

Parque temáticos só terão permissão para reabrir se seu condado ficar abaixo do "nível" mais restritivo de coronavírus do estado e, inicialmente, com 15% da capacidade e apenas para residentes da Califórnia.

Chapek alertou que a Disneylândia não poderá reabrir no primeiro dia do mês que vem pois leva tempo para chamar de volta mais de 10.000 funcionários de licença e treiná-los nas medidas de segurança contra a pandemia.

Disney, junto com outras operadoras e autoridades locais, aumentou a pressão sobre as autoridades estatais para permitir reaberturas mais rápidas, depois que a orientação anterior indicou que os parques temáticos estariam entre os últimos lugares a reabrir na Califórnia.

A empresa teve que descartar a reabertura planejada para a Disneylândia em julho do ano passado após uma disputa pública com as autoridades estaduais em relação as diretrizes de segurança. A Disney culpou parcialmente as restrições da Califórnia pela perda de 28.000 empregos em setembro.

Chapek disse que a reabertura seria bem-vinda pela equipe da Disney e "também é uma boa notícia para a comunidade de Anaheim, que depende da Disneylândia para empregos e negócios gerados pelos visitantes".

Durante a reunião dos acionistas, Chapek anunciou também que o serviço de streaming Disney + ultrapassou a marca de 100 milhões de assinantes, apenas 16 meses depois do seu lançamento.

O crescimento da plataforma superou expectativas e chega em um momento em que os parques, viagens e empresas de cinema da Disney são afetados pela pandemia.

"Nosso negócio direto ao consumidor é a principal prioridade da empresa e nossa robusta diversidade de conteúdo continuará a alimentar seu crescimento", disse Chapek.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.