Classe executiva mais cara pressiona orçamentos de empresas

Tarifas das companhias aéreas dispararam desde a pandemia e preços praticamente dobraram em relação a 2019
Mudança de preços coincide com aumento de inflação e temores de recessão (Qatar Airways/Divulgação)
Mudança de preços coincide com aumento de inflação e temores de recessão (Qatar Airways/Divulgação)
B
Bloomberg

Publicado em 19/09/2022 às 13:48.

Última atualização em 19/09/2022 às 13:49.

Voar na classe executiva sempre esteve além das possibilidades da maioria dos passageiros. Agora, contudo, nem mesmo as empresas têm conseguido pagar as tarifas, que dispararam conforme o mundo tenta se reconectar após a pandemia de Covid-19.

VEJA TAMBÉM

Um voo de volta em classe executiva nas rotas mais longas, entre Nova York e Sydney, por exemplo, pode custar mais de US$ 20.000, cerca do dobro do preço dos dias pré-pandemia.

“A demanda está claramente superando a oferta”, disse Nick Vournakis, vice-presidente executivo da empresa de gerenciamento de viagens corporativas CWT. “Em algum momento, as empresas vão dizer que basta.”

Mercado de viagens pressionado

À medida que as restrições da Covid-19 diminuíram em todo o mundo, as companhias aéreas lutaram para reativar suas frotas e trazer de volta funcionários com rapidez suficiente para lidar com o crescente apetite por viagens aéreas. Os custos mais altos de combustível também aumentaram as tarifas.

De acordo com a CWT e a Global Business Travel Association, as tarifas aéreas de classe executiva aumentarão 45% em 2022 e mais 6,2% no próximo ano. As passagens de classe executiva para voos que saem dos EUA aumentaram 52% entre janeiro e agosto, um aumento mais acentuado do que na classe econômica e na classe econômica premium, disse a gestora de viagens TripActions.

Com as empresas resistindo aos custos, as viagens corporativas estão de volta a um terreno instável, ainda não se recuperando de bloqueios relacionados ao vírus. Isso é uma má notícia para as companhias aéreas. Os viajantes de negócios representam 75% do lucro de uma transportadora, mas apenas 12% dos passageiros, de acordo com a empresa de software de viagens Trondent Development.

“Estamos vendo uma hiperconsciência em torno dos gastos”, disse Marcus Eklund, diretor administrativo global da empresa de gerenciamento de viagens corporativas FCM.

Tem que ser econômica

Verificando as tarifas para levar os colegas para uma reunião de equipe em Bangkok, o consultor de gestão de Sydney, Dhruv Sharma, descobriu que seu orçamento não poderia se estender para a classe executiva, a escolha usual, sem dobrar o custo, para US$ 6.000 por pessoa. “Tem que ser econômica”, disse ele.

Sharma está tentando amenizar o impacto financeiro para aqueles que vão à Tailândia oferecendo folga quando voltarem para a Austrália. Mesmo assim, ele espera que 20% dos colegas desistam por viajarem na classe econômica.

Bill Gates, o bilionário cofundador da Microsoft, previu no final de 2020 que mais de 50% da viagens de negócios desapareceriam depois do coronavírus. O Diretor Executivo da Qantas Airways Alan Joyce estima um possível declínio de aproximadamente 15%.

Seja qual for o número final, os viajantes foram amplamente desacostumados das viagens de negócios já que o Zoom mostrou o que pode ser alcançado sem necessidade de entrar em um avião. O recente aumento nas tarifas está colocando os benefícios das videochamadas ainda mais em perspectiva.

As tarifas são fluidas e algumas rotas têm preços mais extravagantes do que outras. A Delta Air Lines e a British Airways estão cobrando mais de US$ 10.000 para voar de Londres a Nova York na classe executiva no próximo mês, de acordo com o portal de viagens kayak.com.

Voos de classe executiva Londres-Sydney com a Singapore Airlines estão a cerca de US$ 12.000. Mais perto do topo do mercado, Qantas e United Airlines querem mais de US$ 22.000 para assentos premium em voos Nova York-Sydney.

A mudança coincide com o aumento da inflação e os temores de uma recessão. Mais do que nunca, as empresas estão escolhendo voos com base no preço, em vez de programas de fidelidade de companhias aéreas, a fim de maximizar os orçamentos de viagem, disse Martin Ferguson, chefe de relações públicas da American Express Global Business Travel.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.