Casual

Chinesa GWM vence Volkswagen na Justiça e pode vender 'Fusca elétrico' no Brasil

Apesar da decisão, por enquanto a GWM não tem interesse de comercializar o modelo no Brasil

Ora Ballet Cat: 'Fusca elétrico'. (GWM/Divulgação)

Ora Ballet Cat: 'Fusca elétrico'. (GWM/Divulgação)

Gilson Garrett Jr.
Gilson Garrett Jr.

Repórter de Casual

Publicado em 18 de abril de 2024 às 16h20.

Última atualização em 18 de abril de 2024 às 16h25.

Tudo sobreCarros
Saiba mais

A chinesa GWM conseguiu, no dia 4 de março, derrubar na Justiça uma liminar que a impedia de vender em território brasileiro os modelos Ora Punk Cat e Ora Ballet Cat. A decisão de impedimento havia sido pedida pela Volkswagen que alega que os carros são "muito parecidos" com o icônico Fusca. Segundo a GWM, por enquanto não há interesse de comercializar os modelos no Brasil.

De acordo com reportagem do jornal O Globo, todo debate começou em novembro de 2021 quando a chinesa conseguiu um registro de desenho industrial dos dois modelos junto ao INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial). Tanto o Ora Punk Cat equando o Ora Ballet Cat não são vendidos aqui no Brasil, mas são bem similares ao Fusca.

Meses após o registro, a Volkswagen contestou a decisão do INPI na Justiça alegando "ausência de inovação".  Em fevereiro de 2023 a montadora alemã conseguiu uma liminar que foi suspensa agora em março deste ano. A 1ª turma do Tribunal Regional Federal da 2ª Região acolheu os argumentos da GWM. A chinesa diz que não há concorrência desleal, uma vez que o Fusca deixou de ser produzido no Brasil em 1996.

A Volkswagen recorreu da decisão da Justiça, mas o mérito ainda não foi apreciado. O processo ainda pode subir para outras instância do Poder Judiciário.

Um ano de GWM no Brasil

Neste mês de abril, a GWM completou um ano do início da comercialização dos seus veículos no país, com a linha de SUVs híbridos e plug-in Haval H6 (HEV, PHEV e GT), e desde dezembro, com a linha elétrica ORA 03 (Skin e GT).

Com previsão inicial de vender 700 veículos mensalmente, a empresa superou essa expectativa e vendeu quase 1.000 unidades já no primeiro mês, o que equivale a 15% do mercado de eletrificados, alcançando a liderança no segmento dos modelos híbridos logo na estreia.

De lá pra cá, as vendas cresceram, somando no acumulado do ano (abril a dezembro) 10.703 unidades da linha Haval, e atingindo nos últimos 12 meses (abril/2023 a março/2024) a liderança tanto no segmento dos híbridos (14.407 veículos) quanto no segmento dos carros premium, acima de R$ 300 mil (4.821 unidades).

Acompanhe tudo sobre:CarrosCarros elétricos

Mais de Casual

Jeddah Tower: conheça o prédio que será o maior do mundo, na Arábia Saudita

Arquitetos indicam iniciativas para reconstrução de casas no RS

Chefs revelam quais pratos e receitas marcaram suas vidas

CCBB Rio terá 1ª Mostra de Cinema Haitiano no Brasil

Mais na Exame