A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Segurando vários pratinhos: home office eleva produtividade – a que custo?

A pandemia acelerou a adoção de robôs, inteligência artificial e outras tecnologias que, em teoria, liberam os trabalhadores de tarefas manuais ou repetitivas para se concentrarem na produção de maior valor

HOME_MATERIA_produtividade_pandemia_home_office A pandemia acelerou a adoção de robôs, inteligência artificial e outras tecnologias que, em teoria, liberam os trabalhadores de tarefas manuais ou repetitivas para se concentrarem na produção de maior valor

A pandemia acelerou a adoção de robôs, inteligência artificial e outras tecnologias que, em teoria, liberam os trabalhadores de tarefas manuais ou repetitivas para se concentrarem na produção de maior valor (Bloomberg Businessweek/BLOOMBERG BUSINESSWEEK)

A crise da covid-19 está acelerando um boom de tecnologia que tem potencial para aumentar a produtividade em grande parte do mundo, estimulando o crescimento mesmo em economias maduras, como as da Europa e dos Estados Unidos.

Seja em cozinhas de restaurantes, no chão de fábricas ou em centros de atendimento de e-commerce, a pandemia acelerou a adoção de robôs, inteligência artificial e outras tecnologias que, em teoria, liberam os trabalhadores de tarefas manuais ou repetitivas para se concentrarem na produção de maior valor.

Ao mesmo tempo, a computação em nuvem e o software de videoconferência possibilitaram a mudança para o trabalho em casa em inúmeras empresas ao redor do mundo. Isso libera os funcionários do desperdício de tempo que é o deslocamento do escritório e que está gerando dividendos para as empresas.

Pesquisa publicada pelo Instituto McKinsey no final de março constatou que a combinação dessas tendências poderia melhorar a produtividade nos EUA e na Europa Ocidental em cerca de 1 ponto percentual ao ano até 2024, mais do que dobrando a taxa de crescimento pré-pandemia.

Isso poderia se traduzir em aumentos no Produto Interno Bruto per capita, variando de cerca de 1.500 dólares na Espanha a cerca de 3.500 dólares nos Estados Unidos, de acordo com os autores do relatório. “Essa aceleração da tecnologia é algo que parece ser real e duradouro”, diz Jan Mischke, parceiro do McKinsey. (Exceto onde indicado, o termo "produtividade" é usado aqui como uma abreviatura para o que muitas vezes é chamado de produtividade do trabalho, que é uma medida da produção por unidade por volume de trabalho.)

Os economistas da Goldman Sachs também estão otimistas. Estimam, em um relatório de 25 de abril, que três canais de disrupção tecnológica – a mudança para o e-commerce, a digitalização do local de trabalho e a realocação de capital humano e de investimento à medida que empresas não lucrativas encolhem ou fecham – irão aumentar a produtividade dos Estados Unidos em pelo menos 2% cumulativamente até 2022 e, potencialmente, até o máximo de 7%.

Essas são previsões ousadas, especialmente porque vão contra o que tem sido observado historicamente. As recuperações de recessões e desastres naturais são normalmente seguidas por anos de fraco crescimento da produtividade, diz Gene Kindberg-Hanlon, economista do Banco Mundial.

Epidemias anteriores, como Ebola e SARS, deixaram duradouros legados negativos sobre o crescimento da produtividade, em grande parte porque diminuíram os investimentos de capital, o que significa que as empresas não estavam investindo em equipamentos ou tecnologia da informação que pudessem ajudar os trabalhadores a realizarem suas tarefas com mais eficiência.

O oposto parece estar acontecendo durante esta pandemia. Três quartos dos quase 1.400 executivos entrevistados pela McKinsey em dezembro esperavam que os investimentos em novas tecnologias aumentassem no período 2020-24, em comparação com os 55% de aumento nos gastos em 2014-19.

Uma pesquisa da gigante de suíça engenharia ABB, com mais de 1.600 empresas em todo o mundo, descobriu que 8 em cada 10 locais de trabalho introduzirão ou aumentarão o uso de robótica e automação na próxima década, com 85% declarando que o Covid foi uma virada de jogo para seus negócios.

Na América do Norte, as compras de robôs aumentaram 64% no quarto trimestre de 2020 em relação ao ano anterior, de acordo com a  Associação das Indústrias de Robótica. Ainda mais notável: setores como processamento de alimentos, fabricação de bens de consumo e biociências registraram um aumento maior nos pedidos em 2020 do que os fabricantes de automóveis, que tradicionalmente são os maiores compradores de robôs.

Pesquisadores da Oxford Economics dizem que sua previsão para 2019 de que a robotização adicionaria US$ 5 trilhões ao PIB global até o final da década atual deverá  ser revisada para cima.

John Ha, fundador e CEO da Bear Robotics, uma startup de Redwood City, Califórnia, que é apoiada pelo SoftBank, diz que seus robôs autônomos podem realizar tarefas como transportar comida e pratos sujos entre a cozinha de um restaurante e a área de jantar, permitindo que garçons humanos interajam mais com seus clientes. “Os robôs liberam o tempo para o atendimento”, diz ele. “Eles podem realmente se concentrar na hospitalidade.”

O robô do Bear's já foi implantado nos restaurantes Denny's no Japão e em concessões de alimentos na arena Toyota Center de Houston, que são administradas pela rede de restaurantes Levy.

Na frente do trabalho remoto, um estudo publicado no mês passado por Jose Maria Barrero, do Instituto Tecnológico Autônomo do México, Nicholas Bloom da Stanford e Steven Davis, da Faculdade Booth de Administração de Empresas da Universidade de Chicago e da Hoover Institution , concluiu que trabalhar em casa aumentará a produtividade na economia pós-pandemia dos EUA em 5%, principalmente por causa da redução do deslocamento diário.

Os autores entrevistaram mais de 30.000 trabalhadores norte-americanos e descobriram que uma experiência melhor do que a esperada, inovações e investimentos tecnológicos e persistentes temores de multidões e contágio fortalecerão os novos acordos de trabalho – embora também observem que esses ganhos serão obtidos principalmente por pessoas com renda mais alta. “O óbvio é que haverá muita adoção de automação”, diz Bloom. “Mas acho que menos óbvio é que veremos uma grande mudança de direção no sentido de tornar a conectividade remota de trabalho em casa muito mais poderosa.”

Um ponto sobre o qual há amplo consenso entre os economistas é que nem todas as indústrias ou trabalhadores se beneficiarão dessas tecnologias da mesma forma – e  alguns podem realmente sair perdendo. O impacto diferenciado significa que a melhoria da produtividade realizada no nível da empresa ou da indústria pode não somar ganhos nos indicadores nacionais.

bloomberg_grafico_robo_produtividade

 (Bloomberg Businessweek/BLOOMBERG BUSINESSWEEK)

“O verdadeiro potencial para uma revolução é trabalhar em casa”, diz Robert Gordon, professor da Northwestern University. Gordon, cujo livro de 2016 The Rise and Fall of American Growth (A Ascensão e Queda do Crescimento Americano) argumentou que as tecnologias atuais, como o iPhone e a internet foram muito menos transformadoras do que as inovações anteriores, como a refrigeração ou o encanamento, e é rápido em adicionar uma advertência: “Mas vai levar muito tempo para que a economia se ajuste nas áreas que estão sendo duramente prejudicadas pelo trabalho em casa, como transporte público e prédios comerciais nos centros das cidades. ”

Da mesma forma, algumas nações podem ser mais favorecidas do que outras. Nos Estados Unidos, o ritmo do aumento na produtividade total dos fatores – medida que explicitamente descreve os efeitos da inovação tecnológica – subiu de uma média de 0,6% de 1990 a 1995 para quase 2% em média de 1996 a 2004, alimentado em grande parte por informatização e internet, diz Kindberg-Hanlon, do Banco Mundial.

No entanto, o crescimento da produtividade na Europa apresentou tendência de queda no mesmo período, por motivos que incluíram uma adoção mais lenta de novas tecnologias da informação e mercados de trabalho mais restritivos.

“Embora muitas economias avançadas estejam bem posicionadas para ver a produtividade melhorar em alguns setores, muitas economias emergentes e em desenvolvimento podem ter dificuldade em colher esses benefícios devido à escassez de qualificação, falta de infraestrutura, como internet de alta velocidade e outros facilitadores de conectividade digital, e acesso deficiente a financiamentos”, diz ele.

O otimismo sobre um aumento da produtividade pode ser moderado assim que tivermos uma compreensão melhor da escala dos destroços econômicos deixados pela pandemia, diz John Van Reenen, Presidente da Escola de Economia da Universidade de Londres. “Haverá alguns benefícios de produtividade”, diz ele.

Quais são as grandes tendências do mercado de trabalho? Invista na sua carreira. Assine a EXAME.

De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também