Para Cristiano Ronaldo, carreira tem conquistas coletivas

Cristiano Ronaldo falou sobre sua carreira na seleção portuguesa, na qual é capitão e já superou a marca de 100 partidas

Lisboa – O jogador português Cristiano Ronaldo diminuiu, nesta quarta-feira, a importância de conquistar o Prêmio Bola de Ouro deste ano, embora tenha reconhecido que gostaria de ganhá-lo e que esse é um de seus objetivos.

“Não posso viver por um prêmio individual, não seria justo. A carreira de um jogador não fica marcada pelas conquistas individuais, mas pelas coletivas”, ressaltou a estrela do Real Madrid em entrevista ao site da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

Nesta entrevista, cuja primeira parte foi divulgada nesta quarta, Cristiano Ronaldo falou sobre sua carreira na seleção portuguesa, na qual é capitão e já superou a marca de 100 partidas, feito conquistado apenas por Luís Figo e Fernando Couto.

Sobre o Prêmio Bola de Ouro, no qual concorre com Lionel Messi e Andrés Iniesta, Cristiano Ronaldo afirmou que aconteça o que acontecer, seguirá “vivendo tranquilo, sendo feliz” e dando o melhor de si em campo.

“Quando a decisão for divulgada, talvez fique muito contente, talvez fique triste… mas é a lei da vida. Se ganhar, perfeito, mas se não ganhar, paciência, a vida continua”, disse.

“É óbvio que gostaria de ganhar o prêmio, não vou ser hipócrita e nem mentiroso, é algo que quero ganhar, mas não posso pensar que é o fim”, disse.

O jogador, nascido no arquipélago da Madeira e que se formou como jogador na base do Sporting, se lamentou por ter conquistado nenhum título com a seleção.


Na sua opinião, o conjunto português teve méritos o suficiente para conquistar títulos, embora por enquanto teve faltado um pouco de “sorte”.

“Já estivemos duas ou três vezes muito perto de conseguir algo importante e, de fato, na última competição que disputamos (a Eurocopa) fomos derrotados nos pênaltis pela seleção espanhola”, lembrou.

A vigente campeã do mundo e da Europa ganhou de Portugal nos dois últimos campeonatos nas quartas e semifinais, respectivamente.

“Para conseguir um título, sempre tem que ter um pouco de estrela, tanto no clube como na seleção, e acho que é o que nos faltou nos últimos anos”, considerou.

Cristiano Ronaldo ressaltou o “orgulho” e a “alegria” que sente cada vez que joga pelo seu país e prometeu aos portugueses continuar trabalhando duro para conseguir sucessos.

“Uma coisa é jogar com teu clube e outra com a seleção, são sentimentos totalmente diferentes. É verdade que a paixão por ganhar e por competir é parecida, mas existe um envolvimento mais sentimental representamos nosso país”, afirmou. 

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.