Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Consertam-se roupas ou conserta-se roupas, qual é o certo?

Diogo Arrais, professor de Língua Portuguesa do Damásio Educacional, fala sobre a concordância na voz passiva

Há alguns anos, por meio das mídias sociais, dedico-me à divulgação da Língua Portuguesa. Por isso, semanalmente, recebo uma série de fotos de placas com desvios em relação à norma.

Em uma delas, em frente a um estabelecimento comercial, havia a seguinte mensagem:

“CONCERTA-SE ROUPAS”

“Opa! Que gol contra!” poderiam dizer os mais críticos, porém o fato linguístico estampado vai além de, simplesmente, “consertar” um desvio. 

Em Língua, as palavras com som igual, escrita diferente e significado diferente são classificadas como homônimas homófonas. Em outras palavras: ao pronunciarmos, não notamos a diferença entre elas.

Assim sendo, a palavra “concerto” remete a uma “composição musical”; “conserto” provém do verbo consertar e significa “reparo, ajuste”.

Um outro fato curioso registrado na placa do estabelecimento comercial refere-se à falta de concordância entre o verbo e o sujeito. Sim! A expressão “roupas” não é o aparente complemento do verbo, mas sim o sujeito paciente no plural.

A partícula “se” é apassivadora; logo, a frase está na voz passiva sintética. Como “roupas SÃO CONSERTADAS”, devemos registrar “consertam-se roupas”.

Ademais, uma regra que ajuda muito é saber que os sujeitos nas vozes passivas são idênticos. Vejamos a transposição de vozes verbais:

FULANO CONSERTA ROUPAS.
(Voz ativa)

ROUPAS SÃO CONSERTADAS POR FULANO.
(Voz passiva; sujeito “roupas”)

CONSERTAM-SE ROUPAS.
(Voz passiva sintética; sujeito “roupas”)

Ratificando, vemos que o sujeito paciente está no plural; logo, o verbo deve também estar no plural, justamente pelo princípio de concordância.

No dia a dia, sempre presenciamos placas (malditas?) com “aluga-se salas” ou “vende-se móveis”. É completamente compreensível que o escritor subentenda o termo posposto como complemento da ação (quando gramaticalmente é o citado sujeito na voz passiva).

Em vez de simplesmente julgar, interessa-me compreender, outrossim, critérios de intencionalidade no uso da Língua. Viva a diversidade linguística da Internet!

Um abraço, até a próxima e siga-me pelo Twitter!

Diogo Arrais
@diogoarrais
Professor de Língua Portuguesa – Damásio Educacional
Autor Gramatical pela Editora Saraiva

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também