Live icon 

ELEIÇÕES 2022:  

Lula e Bolsonaro vão disputar o segundo turno Veja agora.

Um conteúdo Bússola

Tecnologia ainda é desafio para mercado de cripto no Brasil, dizem especialistas

Infraestrutura e conectividade ainda são vistos como empecilhos para o investimento
 (Getty Images/Reprodução)
(Getty Images/Reprodução)
A
Antonio SouzaPublicado em 08/08/2022 às 10:00.

Por Bússola

O Brasil tem enormes desafios no futuro para suprir carências tecnológicas e dar suporte e constância ao mercado de criptomoedas, tendo em vista, sobretudo, a necessidade de se investir fortemente em infraestrutura.

Essa foi a  principal conclusão do painel “Mercado Financeiro: como criptomoedas e tecnologias disruptivas moldam o futuro dos investimentos”, que reuniu especialistas na última segunda-feira, 1º de agosto, durante o evento Lidera, encontro anual da Comunidade da Fundação Estudar.

Participaram do debate Ronaldo Lemos, presidente da Comissão de Tecnologia da OAB-SP, Richard Schäli, investidor e fundador da Secanta Capital Research, Roberto Dagnoni, CEO e presidente do Conselho do 27M, holding controladora do Mercado Bitcoin, e Juliana Walenkamp, strategy and business development de Web3.

“O Brasil possui muitas oportunidades para inovar, mas precisa de muitos serviços e capacidade de processo. Além disso, carece de uma boa conectividade. O país ainda está em uma camada muito superficial, e isso se aplica também quando pensamos em blockchain, que é uma disruptiva para o mercado de  bitcoin, além do metaverso, propriamente dito”, afirmou Ronaldo Lemos.

“O blockchain vai revolucionar todo o sistema financeiro mundial. Será um computador gigante que vai descentralizar informações, com um histórico imenso de transações. Hoje, as tecnologias são subestimadas, e isso acontece em vários setores. Estamos indo para uma nova era, em que a velocidade da inovação estará cada vez mais rápida. Temos uma grande inovação a cada cinco anos, pelo menos, quando antigamente, isso demorava no mínimo duas décadas”, disse Richard Schäli, que tem apenas 15 anos e investe desde os 7.

Juliana Walenkamp lembrou que o blockchain trará ainda mais segurança e oportunidades tanto para usuário e cliente quanto para as instituições. “Quando falamos em blockchain, estamos falando de transparência, segurança e muitos outros aspectos neste sentido. É uma tecnologia que poderá ser usada por muitos serviços e não necessariamente apenas pelo setor financeiro. Estamos falando de uma base de dados, registro de transações e integridade para produtos e soluções, com produtos mais baratos e soluções mais rápidas."

Para Roberto Dagnoni, o Brasil ainda está longe de assegurar essa realidade tecnológica e de investimentos em criptomoedas, tanto para a população quanto para as empresas. “Precisamos trabalhar muito o aspecto da experiência do usuário no blockchain. É difícil, porque as pessoas precisam gerenciar seus próprios coins, e não é uma tarefa trivial. Estamos longe de ter um acesso real neste mundo como gostaríamos.”

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter | Facebook | Youtube

Veja também

Para líderes, adotar práticas ESG é essencial para se manter no mercado

Por que o mercado de criptomoedas no Brasil precisa de uma nova lei

Por que as criptomoedas são mais seguras contra roubos financeiros