Acompanhe:

O finshare é uma solução para o compartilhamento de finanças. “Com apenas alguns cliques, os usuários podem criar múltiplos grupos para diversas finalidades, seja com familiares, amigos, cônjuges ou até mesmo prestadores de serviço”, diz Daniel Ruhman, CEO e fundador da Cumbuca. A fintech é a primeira startup brasileira a trabalhar com o conceito e acaba de captar R$15 milhões em uma rodada de investimento seed, liderada pelos fundos Lightspeed Venture Partners e Supera Capital. Com o aporte, a empresa planeja acelerar o desenvolvimento de soluções que facilitem a divisão de contas entre os brasileiros.

Fundada em 2021, a companhia se propõe a oferecer uma solução simples e eficaz para as despesas e gastos compartilhados. O app Cumbuca permite compartilhamento de finanças com transparência e visibilidade para todas as partes envolvidas, suportando qualquer pagamento por Pix, Boleto e, em breve, cartão. Para isso, basta depositar o dinheiro via Pix e alocar o saldo desejado em cada grupo. 

Os usuários também podem definir a proporção com que cada membro da conta contribuirá, tornando o processo de pagamento mais justo e transparente. As transações podem ser divididas meio a meio, 80%-20% e uma pessoa também pode pagar usando exclusivamente o saldo de outro integrante do grupo. 

Como o finshare simplifica a divisão de despesas?

De acordo com o CEO da fintech, o produto é eficiente para diversas situações cotidianas, que tornam desconfortáveis a cobrança de dinheiro entre todas as pessoas envolvidas. “Imagine você e seus amigos num churrasco no final de semana ou organizando aquela viagem em grupo. A Cumbuca resolve a dor de cabeça da divisão de gastos do jeito que for melhor para o grupo, e acaba com a necessidade de mandar comprovante de pagamento em grupo de Whatsapp ou cobrar um Pix dos seus amigos que ficaram te devendo”, explica.

Além do aporte de R$ 15 milhões, a Cumbuca conquistou também a autorização do Banco Central do Brasil para operar como Instituição de Pagamento (IP) na modalidade Iniciador de Transação de Pagamento (ITP). Com a licença, a startup se torna a única ITP brasileira puramente B2C – que oferece os seus serviços diretamente para os consumidores, e não para outras companhias. 

Com isso, Daniel Ruhman, CEO e fundador da Cumbuca, se credencia como mais jovem controlador de uma empresa com esse tipo de autorização pela autarquia federal. “Acreditamos que a vida acontece em conjunto. Assegurar maior visibilidade e transparência às finanças contribui para que as relações sejam mais leves e harmoniosas. Afinal, problemas compartilhados precisam de soluções compartilhadas”, completa Ruhman.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | Linkedin | Twitter | Facebook | Youtube

Veja também

Fintech promete utilizar Gestão de Despesas e Cartões SCALE para economizar tempo

Aumentando as vendas do açougue com 5 dicas de gestão estratégica

Fintechs brasileiras terão oportunidade na unificação do sistema bancário na África

Créditos

Últimas Notícias

Ver mais
Quer um jatinho para Nova York? Essa startup fatura R$ 9 milhões agilizando a vida dos ultrarricos
seloNegócios

Quer um jatinho para Nova York? Essa startup fatura R$ 9 milhões agilizando a vida dos ultrarricos

Há 14 horas

Os três motivos que levam à inadimplência no Brasil, segundo o Google
seloMinhas Finanças

Os três motivos que levam à inadimplência no Brasil, segundo o Google

Há 20 horas

Os FIDCs estão na idade da pedra. A Black 101 quer trazê-los para a era da IA
Exame IN

Os FIDCs estão na idade da pedra. A Black 101 quer trazê-los para a era da IA

Há 22 horas

Pioneira em tecnologias para todo mundo ter uma loja online, curitibana Olist quer 'virar banco'
seloNegócios

Pioneira em tecnologias para todo mundo ter uma loja online, curitibana Olist quer 'virar banco'

Há um dia

Continua após a publicidade
icon

Branded contents

Ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

Leia mais