Liderança em tempos de pandemia

Num período de acelerada transição, a empatia passa ser o maior atributo de gestão no relacionamento com os colaboradores

Estamos perto de completar, aqui no Brasil, um ano sob a crise humanitária e econômica imposta pela Covid-19. Agora, com a esperança renovada pelas perspectivas de uma vacinação em massa, é hora de consolidar erros e acertos desse período tão desafiador.

Isso se aplica em todas as esferas – inclusive ao mundo empresarial.

Não é novidade que a pandemia alterou drasticamente o cotidiano das empresas. Mais do que algo pontual, esse particular momento da humanidade mudou significativamente a forma com que as companhias enxergam o futuro. Mudanças que levariam uma década para serem implementadas tiveram de ser colocadas de pé em meses ou semanas. E o papel das lideranças foi posto à prova.

Diante de uma situação jamais vivenciada nas últimas gerações, empresários e CEOs têm o engajamento das equipes como um dos maiores desafios, especialmente em um cenário em que muitos trabalham de forma remota ou em um modelo híbrido (ora presencial, ora remotamente).

O home office transformou as culturas organizacionais. Exigiu dos executivos novas estratégias de gerenciamento e impôs a inteligência emocional na administração das equipes.

Tal habilidade, aliás, foi alçada a uma condição fundamental para se manter no mundo corporativo nesses tempos tão sensíveis.

Nesse contexto, o cuidado com a saúde física e mental das equipes passa a ser um requisito permanente para o futuro.

Esse tema, aliás, precisa ser colocado em prática como parte da cultura corporativa, segundo pesquisa feita pelo IBM Institute for Business Value.

Nessa sondagem, o instituto abordou a questão junto a executivos e colaboradores, revelando a diferença de pontos de vista. Quando questionados sobre o suporte dado pelas companhias na questão da saúde física e emocional, 80% dos executivos afirmaram que a empresa estava atuando. Mas entre os colaboradores o índice foi de apenas 46%. E, quando perguntados se a empresa estava fornecendo treinamento adequado para trabalhar num cenário de pandemia, 74% dos executivos disseram que sim, ante apenas 38% dos empregados.

Esses números mostram que a tarefa é bem mais complexa do que pressupõe o alto escalão.

Num período de acelerada transição, como o que vivemos, é essencial não superestimar a eficácia dos esforços no apoio aos colaboradores.

Na TV Integração (mais antiga afiliada da Rede Globo), temos vivido esse cenário desafiador com a plena convicção de que entender a necessidade das pessoas passa a ser uma premissa básica para uma empresa dinâmica em um mercado em constante metamorfose.

É cada vez mais evidente que inovação, excelência e alta performance claramente dependem de um ambiente em que todos se sintam empoderados pelas lideranças. É bastante perceptível que um espaço psicologicamente seguro, em que se possam propor soluções sem receio de qualquer crítica, gera comprometimento, novos insights e aprendizados e senso de pertencimento.

Os resultados não são só numéricos, mas sociais.

Investir em programas de apoio à saúde mental (com conversas, palestras e material informativo), abrir-se aos feedbacks e estabelecer um ambiente mais colaborativo e menos competitivo, portanto, somam-se à estratégia de forma permanente.

Afinal, conforme mostra o estudo do IBM Institute for Business Value, a burocracia vem dando lugar a estruturas mais flexíveis e menos centralizadas de tomada de decisão. Delegar continuará sendo um verbo fundamental no novo normal do mundo empresarial.

No Grupo Integração ficou claro que a vulnerabilidade, antes escondida a sete chaves pelos executivos que temiam ser vistos como fracos, passou a ser um poder e tanto para gerar conexões entre as pessoas – sejam pares, líderes e equipes.

A empatia, mais do que nunca, é o maior atributo de gestão.

(*) Rogério Nery de Siqueira Silva é CEO do Grupo Integração (afiliada da RedeGlobo)

Siga Bússola nas redes:  InstagramLinkedin  | Twitter  |   Facebook   |  Youtube 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.