Kangu injeta inovação e rendimento extra para pequeno empreendedor

Em entrevista, CEO conta como o uso de comércio local para coleta de mercadorias impacta na logística e até no meio ambiente

Os pequenos e médios empreendedores brasileiros sofrem há mais de um ano diante do abre e fecha e das restrições de horários impostos pela covid-19. O mercado da esquina, o armarinho do bairro, a papelaria vizinha. De acordo com dados do Mapa de Empresas, ferramenta desenvolvida pelo Departamento Nacional de Registro Empresarial (DREI) com o Serpro, do Ministério da Economia, cerca de um milhão de cadastros de pessoa jurídica (CNPJ) foram fechados no ano passado.

Inovação virou a palavra-chave para quem está nessa situação. Delivery, plataformas de e-commerce, são ferramentas que entraram no dia a dia do comércio. E é aí que a plataforma tecnológica Kangu, fundada em 2018, tem sido importante para milhares de pequenos e médios empreendimentos.

A Kangu, que conecta e-commerces, transportadoras e pontos de coleta, usa, entre outras alternativas, pequenos comércios de bairro como locais de coleta de mercadorias, oferecendo em troca um rendimento extra.

Em entrevista à Bússola, Marcelo Guarnieri, CEO da Kangu, conta como o modelo de negócio da empresa procura impactar positivamente a logística dentro das grandes cidades.

Bússola: Em que se baseia o modelo de negócio Kangu?

Marcelo Guarnieri: Diante de um cenário de crescimento exponencial dos e-commerces, notamos que o modelo de envio e recebimento das mercadorias permanecia como um ponto crítico que gera frustração para todos envolvidos.

Além de ser  burocrático e caro para o cliente, acaba sendo ineficiente para os operadores logísticos e gera alto impacto no meio ambiente.

Em nossa plataforma, o vendedor de e-commerce tem acesso a uma variedade de transportadoras e pode escolher preço, prazo e perfil de entrega, a um preço competitivo, se comparado ao modelo tradicional.

Além disso, para os vendedores enviarem ou os clientes receberem e devolverem encomendas não é necessário que sejam percorridas grandes distâncias. Usamos pontos de coleta abrigados em estabelecimentos comerciais de bairro, treinados para receber e armazenar os pacotes.

É um modelo que se adequa aos bairros, à rotina da cidade e reduz a distância, assim como diminui o impacto ambiental.

Bússola: Em fevereiro, a queda média das receitas das pequenas e médias empresas brasileiras foi de 40% em relação à pré-pandemia, segundo pesquisa do Sebrae em parceria com a Fundação Getúlio Vargas. Como o modelo de vocês pode ajudar esses estabelecimentos?

MG: Nascemos com foco em melhorar a logística dentro das cidades e notamos que os estabelecimentos de bairro poderiam ser grandes aliados.

Geramos ocupação e produtividade em espaços ociosos desses estabelecimentos.

Para o comerciante, além do acréscimo na renda gerado pela parceria, notamos que há aumento no fluxo de pessoas no local, o que gera visibilidade e tem contribuído para um aumento da receita do negócio principal.

Para participar, basta acessar nosso portal e se cadastrar como parceiro. Nosso time de prospecção avalia se estes leads estão dentro do perfil esperado pela Kangu e efetiva as novas parcerias.

Bússola: Existe algum treinamento para os estabelecimentos comerciais que passam a fazer parte dessa cadeia logística?

MG: Sim, recebem o treinamento inicial em que são capacitados para recebimento, entrega e devolução de pacotes, com todo cuidado e segurança, seguindo os protocolos de combate à covid-19.

Bússola: Quais os próximos projetos da Kangu?

MG: Em dois anos, nos tornamos uma empresa que já fez mais de 40 milhões de entregas de pacotes. Nosso objetivo é acelerar essa expansão e fortalecer nossa relação com os vendedores brasileiros.

 

Receba nossos artigos, entrevistas, lives e podcasts.

Siga Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter  |   Facebook   |  Youtube

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também