Um conteúdo Bússola

Beta Boechat: Na Copa do Catar, cultura virou balança desequilibrada

Reprimir a vida não é tradição, e, quando um lado luta por existir e o outro, pelo direito histórico de calar e eliminar, a “invasão” cultura é bem-vinda
Até a bandeira de Pernambuco foi confundida com manifesto LGBT (Getty Images/Getty Images)
Até a bandeira de Pernambuco foi confundida com manifesto LGBT (Getty Images/Getty Images)
B
Beta BoechatPublicado em 24/11/2022 às 20:47.

A copa do Catar tem chamado a atenção do mundo, nem sempre pelos melhores motivos. Denúncias de maus tratos a minorias, mulheres sendo perseguidas, pessoas agredidas por, supostamente, estarem com bandeiras LGBTs – quando, na verdade, era apenas uma representação de Pernambuco –, protestos proibidos, isso tudo em um país que decidiu ser “tolerante”, mas apenas no período da Copa.

Não é papel do ocidente, que se acredita mais evoluído e desenvolvido, invadir a cultura alheia com conclusões equivocadas e eurocentradas sobre como é “certo” viver a vida. Criticar vestimentas, tradições e até relações entre as pessoas. Mas este não é o caso.

Respeitar os direitos humanos é, ou pelo menos deveria ser, um valor universal. Independentemente de como uma sociedade se organiza, respeitar a integridade da vida, a liberdade de ser quem se é, é uma “invasão” cultural bem-vinda, seja onde for.

Opressão não é cultura. Reprimir a vida não é tradição. “Respeitar a cultura alheia” não é um argumento válido quando “respeitar” um é impedir a vida do outro. É uma balança desequilibrada. Enquanto um lado luta por apenas existir, o outro luta pelo direito histórico de prender, calar e eliminar. Não são comparáveis.

Continuaremos lutando contra a criminalização de ser LGBTQIAP+ no Catar, continuaremos criticando a decisão de fazer um evento mundial em um país que tem a insegurança de minorias como regra institucionalizada, assim como lutamos diariamente aqui, no próprio ocidente, pela manutenção dos direitos que estão em constante ameaça.

Quanto nossa vida está em jogo, essa é a única opção.

*Beta Boechat é publicitária da @FALA.agency e criadora de conteúdo no @betafala. Trans não-binária, é consultora das áreas de diversidade, gênero, LGBTQIA+ e body positivity.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedInTwitter | Facebook | Youtube

VEJA TAMBÉM: