WTorre na Lava-Jato; O chumbo de Paes…

Propina que dá samba

A Polícia Federal deflagrou a 31ª fase da Lava-Jato nesta segunda-feira. Batizada de “Abismo”, investiga propinas que somaram 39 milhões de reais nos contratos para construção do Centro de Pesquisas da Petrobras, no Rio de Janeiro. Um dos principais alvos é o ex-tesoureiro do PT, Paulo Ferreira, acusado de receber 1 milhão de reais desse total. Ele foi preso temporariamente no último dia 24. Até mesmo Viviane Rodrigues, madrinha de bateria da Estado Maior da Restinga, escola de samba porto-alegrense do coração de Ferreira, recebeu propina do esquema — 61.700 reais.

WTorre na Lava-Jato

O empresário Walter Torre Júnior, presidente da empreiteira WTorre, foi conduzido coercitivamente pela Operação Abismo, na 31ª fase da Lava-Jato. Segundo a Polícia Federal, a WTorre teria recebido, em 2007, uma propina de 18 milhões de reais para abandonar a licitação do Centro de Pesquisas da Petrobras, após apresentar orçamento 40 milhões de reais mais barato que o do concorrente Consórcio Novo Cenpes. De acordo com a Operação Abismo, a propina foi paga por Léo Pinheiro, dirigente da OAS. Os relatos são dos executivos da Carioca Engenharia, na delação premiada e no acordo de leniência da empresa. O Grupo WTorre diz que não recebeu ou pagou nenhum valor referente à obra.

Maranhão cancela de novo

O presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão, cancelou a sessão deliberativa que estava marcada para a noite desta segunda-feira. Segundo o líder do governo na Câmara, André Moura, ele alegou baixo quórum na Casa. O deputado governista reclamou da falta de cumprimento da promessa de Maranhão em realizar uma semana de esforços concentrados. Enquanto isso, o Supremo Tribunal Federal autorizou a quebra de sigilo bancário de Maranhão. A Procuradoria-Geral da República o investiga por ter recebido propina para atuar em prol do doleiro Fayed Traboulsi, que comandava um esquema de corrupção em fundos de pensão municipais.

Greve na Eletrobras

Os trabalhadores da Eletrobras decretaram greve de três dias nesta segunda-feira, como uma forma de forçar a empresa a retomar as negociações de reajuste salarial. A paralisação está concentrada nas unidades administrativas e nas equipes de emergência. Os trabalhadores reivindicam reajuste de 9,28%, referente à reposição da inflação. A Eletrobras, que pediu ao governo aporte de 8 bilhões de reais para recuperar algumas subsidiárias, alega dificuldades financeiras para o reajuste salarial.

CPFL chinesa

As ações da distribuidora de energia de elétrica CPFL subiram 8,2% ontem com a notícia de uma nova sócia. Na última sexta-feira, a construtora Camargo Corrêa comunicou que aceitou a proposta da companhia de energia chinesa State Grid para comprar os 23,6% de ações que detém na CFPL. O valor a ser pago será cerca de 6 bilhões de reais ou 25 reais por ação. Hoje as ações da companhia fecharam a 22,25 reais. Com a compra, a State Grid se torna uma das principais acionistas da CPFL. A expectativa agora é que a chinesa adquira a participação dos demais controladores – os fundos de pensão Previ, Petros, Fudação Cesp, Sitel e Sabesprev.

Empresas em falência

No primeiro semestre deste ano, 1.098 empresas entraram com pedidos de falência, número 26,5% maior que nos primeiros seis meses de 2015, de acordo com a Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Já pedidos de recuperação judicial mais do que dobraram, com alta de 113% em comparação ao mesmo período no ano passado.

Venda de carros despenca

A venda de carros novos no Brasil terminou o semestre com queda de 25% em relação à primeira metade do ano passado, de acordo com a Fenabrave. Foram 984.599 unidades vendidas no acumulado de janeiro a junho deste ano, o menor volume para o período desde 2006. O segmento de automóveis, que ocupa a maior fatia do mercado, somou 139.559 unidades vendidas em junho, retração de 20,37% em comparação a junho passado. A previsão – pra lá de otimista – da Fenabrave para o ano inteiro é de queda de 9,8% em relação a 2015, quando as vendas atingiram 2,5 milhões de unidades. A projeção anterior era de contração de 5,8%.

_

Paes: segurança horrível

A um mês do começo dos Jogos Olímpicos, o prefeito do Rio, Eduardo Paes, voltou a bater com força na incapacidade do governo de fornecer segurança para o evento. Ele disse à rede de TV americana CNN que o estado está fazendo um “trabalho horrível”. A sorte, segundo ele, é que a segurança contará com a Força Nacional e o Exército. No sábado, Paes havia criticado também a penúria da saúde no estado.

_

Patrocinador repelente

Diante das preocupações internacionais com a contaminação pelo vírus Zika nas Olimpíadas do Rio, o comitê olímpico assinou pela primeira vez um acordo de patrocínio com uma marca de repelentes de insetos. Como parte do acordo, a marca Off!, da companhia de cosméticos SC Johnson’s, vai ter participação oficial nos jogos, com milhares de garrafas de repelentes sendo distrubuídas para atletas, membros da organização e voluntários. Vários atletas internacionais haviam dito que sairiam da competição diante do risco de contaminação. A OMS já afirmou que o risco de Zika durante os meses de inverno no Rio de Janeiro é baixo.

_

Venezuela na presidência?

O Uruguai passará ainda este mês a presidência temporária do Mercosul para o governo de Nicolás Maduro, da Venezuela, disse o chanceler uruguaio Rodolfo Nin Novoa. O chanceler paraguaio, Eladio Loizaga, fez duras críticas à decisão tomada bilateralmente por Uruguai e Argentina. “Ainda não fomos informados da decisão, mas lamentamos que Uruguai e Argentina tenham anunciado a decisão publicamente. O chanceler José Serra, do Brasil, me disse que também está surpreso”, disse Loizaga. O chanceler paraguaio afirmou que é impensável a passagem da presidência para um país que tenta fechar o congresso com aval do Supremo Tribunal de Justiça.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.