Sofia Manzano promete revogar reforma trabalhista

Candidata defendeu a redução da jornada de trabalho para 30 horas
A principal campanha que fazemos e que continuaremos a defender, independentemente das eleições, é a de redução da jornada de trabalho para 30 horas sem redução salarial”, disse (Agência Brasil/Reprodução)
A principal campanha que fazemos e que continuaremos a defender, independentemente das eleições, é a de redução da jornada de trabalho para 30 horas sem redução salarial”, disse (Agência Brasil/Reprodução)
A
Agência Brasil

Publicado em 20/09/2022 às 15:55.

Última atualização em 20/09/2022 às 16:33.

A candidata à Presidência da República pelo PCB, Sofia Manzano, disse hoje, 20, a trabalhadores da construção civil em Fortaleza (CE) que, se eleita, vai revogar a reforma trabalhista aprovada durante o governo de Michel Temer. Ela acrescentou que, independentemente do período eleitoral, ela e seu partido político continuarão a defender, como medida de combate ao desemprego, a redução da jornada de trabalho para 30 horas semanais.

“A principal campanha que fazemos e que continuaremos a defender, independentemente das eleições, é a de redução da jornada de trabalho para 30 horas sem redução salarial”, disse.

Segundo ela, esta é uma medida que gera “muito mais emprego” porque obrigará as empresas a contratarem mais pessoas, para dar conta da demanda. “Isso dará tempo de vida para a classe trabalhadora que hoje em dia é massacrada porque ou esta indo para o trabalho, ou está trabalhando, ou está voltando do trabalho, sem tempo para estudar, ir à escola, praticar esporte, ir à igreja, ver a família. É só trabalho, trabalho e trabalho”, argumentou a candidata.

“Sou professora e trabalho com jovens trabalhadores. Muitos chegam para mim e falam que terão de sair da escola porque arrumaram algum emprego. Que país é esse que a gente quer construir, onde a pessoa tem de escolher: ou trabalha ou estuda; ou trabalha ou vê a família?”, questionou.

Veja também: 

Comissão de Relações Exteriores do Senado tem nova presidente

Simone Tebet prevê zerar fila do SUS com custo entre R$ 7 bi e R$ 10 bi