• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

Seca e fogo no Pantanal levam antas a matar sede com brigadistas

Maior mamífero terrestre da América do Sul, anta aceita água e comida dada por brigadista, o que é incomum entre animais silvestres
 (AFP/Mauro Pimentel)
(AFP/Mauro Pimentel)
Por Agência O GloboPublicado em 04/09/2021 14:56 | Última atualização em 04/09/2021 14:56Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Um registro inédito e triste foi feito por brigadistas do Sesc Pantanal nesta sexta-feira. Antas aceitaram água direto na boca, o que é incomum para animais silvestres. Até o ano passado, o tanque onde elas estavam era uma referência para os animais, que matavam a sede ali. Este ano, o reservatório secou e só tem lama. Uma equipe de brigadista combatia um incêndio ao sul da reserva avistou os animais. Eles pararam e ofereceram para as antas 15 litros de água, que estavam em garrafas térmicas.

O brigadista Cleverson Mileski contou que oito antas estavam no local e não se afastaram com a aproximação. Segundo Mileski, os animais estavam debilitados, duas estavam deitadas e as demais afastadas.

Quando começamos a dar água para elas, as outras se aproximaram. Foi uma cena triste para nós que estamos aqui no dia a dia lutando contra o fogo, mas também é uma vitória poder ajudar, disse Mileski.

Depois de oferecer água, a equipe acionou um caminhão-pipa para levar mais água e frutas para auxiliar no restabelecimento das antas mais debilitadas. Também foi instalada uma câmera para acompanhamento dos animais, seguindo orientações do Grupo de Estudos em Vida Silvestre (Gevs).

O Sesc Pantanal fica em Barão de Melgaço, no Mato Grosso, e é a maior Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) do país. No último período de seca, boa parte da reserva foi atingida por queimadas.

Segundo a nota distribuída pelo Sesc, a coordenadora da Iniciativa Nacional para a Conservação da Anta Brasileira (Incab), do Instituto de Pesquisas Ecológicas (Ipê), Patrícia Médici, ficou impressionada com o registro. Em 25 anos de trabalho com antas nunca vi nada parecido com isso. A indicação não é para resgate. A principal medida neste momento é prover água e alimentos, disse ela.

A bióloga Cristina Cuiabália, gerente de Pesquisa e Meio Ambiente do Sesc Pantanal, lembrou que os animais silvestres costumam se afastar dos humanos. Ela acredita que as antas aceitaram a água por estarem numa região distante dos rios Cuiabá e São Lourenço.

O Pantanal está no período de seca. Neste período a água costuma ficar restrita a rios e lagoas, onde os animais matam a sede e tomam banho. Nos últimos dois anos o Pantanal sofre com seca, altas temperaturas e baixa umidade do ar.

Cristina explica que a água está escassa nas regiões mais distantes dos rios e os animais têm de percorrer longas distâncias para encontrá-la.

A anta é o maior mamífero terrestre nativo da América do Sul e está ameaçada de extinção. Ela chega a pesar 300 quilos. É conhecida como a jardineira da floresta. Com suas fezes, dispersam sementes na terra e ajudam a recuperar a vegetação no Pantanal.

Os brigadistas do Sesc Pantanal abastecem os tanques de água da reserva semanalmente e ajudam nas operações de combate ao fogo no entorno da reserva, que tem 108 mil hectares - área equivalente a cidade do Rio de Janeiro. No ano passado, 93% da reserva foi atingida pelo fogo.