Saúde divulga novo protocolo da cloroquina com assinatura de secretários

A decisão do governo é alvo de questionamentos em razão da falta de comprovação científica da eficácia do medicamento contra o coronavírus

O Ministério da Saúde divulgou nesta quinta-feira um documento com o novo protocolo para uso ampliado da cloroquina no tratamento da covid-19 com a assinatura de sete secretários da pasta, em meio a questionamentos sobre a iniciativa em razão da falta de comprovação científica da eficácia do medicamento contra a doença respiratória provocada pelo novo coronavírus.

O novo protocolo foi adotado na véspera e, durante entrevista coletiva do ministério sobre medidas para combate ao novo coronavírus, autoridades da pasta disseram que a proposta contou com apoio interno e externo. Contudo, o documento divulgado inicialmente não continha a assinatura de ninguém.

“Sobre a assinatura do documento das ‘orientações para manuseio medicamentoso precoce de pacientes com diagnóstico da COVID-19’, o Ministério da Saúde informa que o tema vinha sendo discutido no âmbito do Ministério da Saúde por seu corpo técnico. Para deixar clara a participação e o envolvimento de todas as secretarias, os titulares das pastas assinaram o documento ainda na quarta-feira (20)”, disse o ministério em nota nesta quinta-feira.

Subscrevem o documento Mayra Isabel Correia Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde; Cleusa Rodrigues da Silveira Bernardo, secretária substituta de Atenção Especializada à Saúde; Robson Santos da Silva, secretário Especial de Saúde Indígena; Daniela de Carvalho Ribeiro, secretária substituta de Atenção Primária à Saúde; Vania Cristina Canuto Santos, secretária substituta de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde; Wanderson Kleber de Oliveira, secretário de Vigilância em Saúde e Antônio Elcio Franco Filho, secretário-executivo substituto.

Mais cedo, o Conselho Nacional dos Secretários de Saúde (Conass) tinha divulgado uma nota em que questionava o protocolo sobre o uso do medicamento e pediu união entre os três níveis de governo –federal, estadual e municipal– no combate à pandemia do novo coronavírus.

Na nota, os secretários de Saúde afirmam que o próprio protocolo sobre o uso da cloroquina nos estágios iniciais da doença lembra que não há comprovação científica da eficácia do medicamento contra a enfermidade respiratória causada pelo novo coronavírus e diz que o documento é de responsabilidade total do ministério, não tendo sido discutido com Estados e municípios.

O ministério mudou o protocolo de uso da cloroquina para recomendar sua adoção desde os sintomas iniciais da Covid-19 atendendo a exigência do presidente Jair Bolsonaro. Até agora, o uso da cloroquina no Brasil tinha um protocolo do ministério apenas para casos graves.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reiterou na quarta-feira que não recomenda a utilização da cloroquina para o tratamento da Covid-19, diante da falta de comprovação científica de eficácia.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE