Brasil

Rio fecha serviços não essenciais e renova toque de recolher; veja medidas

Medidas começam a valer no dia 26. Shoppings e academias terão de fechar

 (Andre Coelho/Getty Images)

(Andre Coelho/Getty Images)

Mariana Martucci

Mariana Martucci

Publicado em 22 de março de 2021 às 19h24.

Última atualização em 22 de março de 2021 às 22h42.

O Rio de Janeiro e a cidade vizinha Niterói anunciaram nesta segunda-feira medidas mais rígidas de restrição que preveem o fechamento de serviços não essenciais e de estabelecimentos de ensino, além de toque de recolher durante a madrugada e a antecipação de feriados, para conter a disparada recente da covid-19.

Com as novas medidas, que entram em vigor na sexta-feira e terão duração de dez dias, bares e restaurantes não poderão fazer atendimento presencial. Continuarão funcionando normalmente estabelecimentos como mercados, padarias, farmácias, bancos, serviços de saúde, veterinárias e lojas de material de construção.

"Ninguém aqui é alarmista ou deixa de se preocupar com economia e emprego, mas tomamos essa decisão por necessidade e ouvimos muito a ciência. São medias duras, mas duras para preservar vidas", disse o prefeito do Rio, Eduardo Paes, que reclamou da falta de coordenação do governo do estado.

A prefeitura do Rio já havia anunciado na semana passada o fechamento das praias e um toque de recolher durante a madrugada para evitar aglomerações, no momento em que o sistema de saúde da cidade se aproxima da capacidade máxima de atendimento ante uma disparada recentes de casos.

Separadamente, o governo do estado do Rio de Janeiro deve enviar ainda nesta segunda uma mensagem à Assembleia Legislativa e publicar um decreto que antecipa feriados e pontos facultativos para agrupá-los num período de dez dias e determina o fechamento de praias e escolas.

A proposta estadual, no entanto, não prevê o fechamento de estabelecimentos não essenciais, ao contrário do decidido pelas prefeituras da capital fluminense e de Niterói.

Em todo o estado do Rio, são mais de 35.000 mortos e mais de 621.000 infectados na pandemia.

Veja os principais pontos:

Quais os serviços essenciais que poderão funcionar neste período?

Transporte de passageiros, atividades em obras e construção civil, entrega em domicílio, telecomunicações, teleatendimento e call center, e serviços funerários.

O comércio estará funcionando?

Apenas atividades essenciais como farmácias e lojas de conveniência dos postos, supermercados e padarias sem consumo local.

Lanchonetes, bares e restaurantes poderão funcionar com entrega e sistema drive-thru?

Sim. Apenas o consumo no local estará proibido.

E os shoppings, galerias e centros comerciais?

Poderão estar apenas com as atividades neles que são consideradas essenciais, e com bares e restaurantes estritamente com sistema de entrega.

As igrejas serão fechadas?

Não, mas terão limitações de lotação tanto no Rio quanto em Niterói.

Bares e restaurantes poderão estar abertos?

Não, incluindo os quiosques da orla.

As academias de ginástica poderão estar abertas?

Não.

E os jogos de futebol poderão ser realizados?

Não, assim como todos os eventos esportivos coletivos em Rio e Niterói. Os esportes individuais estão liberados.

Atividades físicas na areia poderão ser feitas?

Sim, inclusive no período de maior restrição.

Acompanhe tudo sobre:CoronavírusEduardo PaesPandemiaRio de Janeiro

Mais de Brasil

Em SC, chuvas elevam rio que corta Blumenau em 6 metros e município entra em estado de alerta

Governo federal vai transferir recursos para reforma de escolas no RS

Após receber novas doses, SP vai retomar a vacinação contra dengue neste sábado

Boulos quer câmeras corporais em agentes da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo

Mais na Exame