Brasil

Regina Duarte apaga publicação de apoio a protesto anti-Congresso

Secretária da Cultura fez duas publicações sobre a manifestação "em defesa do governo e contra o Congresso Nacional"

Regina Duarte aceita convite de Bolsonaro para pasta da Cultura (Marcos Corrêa/PR/Flickr)

Regina Duarte aceita convite de Bolsonaro para pasta da Cultura (Marcos Corrêa/PR/Flickr)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 27 de fevereiro de 2020 às 15h34.

A atriz Regina Duarte, futura secretária especial da Cultura, apagou um dos posts que publicou na noite de terça-feira, 25, no Instagram, em que convocava seus mais de 2,2 milhões de seguidores para a manifestação do dia 15 de março "em defesa do governo e contra o Congresso Nacional".

Ela tinha feito duas publicações na sequência. A primeira era a mesma que aparecia na mensagem enviada por Bolsonaro para seus contatos e que, depois de revelada pela jornalista Vera Magalhães, do Estado, gerou um amplo debate acerca da ameaça à democracia. Essa imagem ainda está no perfil da atriz e diz: "15 de março. Gen Heleno/Cap Bolsonaro. O Brasil é nosso, não dos políticos de sempre".

Regina Duarte deletou a segunda publicação. Ela era aberta com esse mesmo texto da anterior, mas trazia uma segunda, e ainda mais polêmica, mensagem. Estava escrito: "O presidente Jair Bolsonaro está disparando de seu celular pessoal um vídeo em tom dramático que mostra a facada que sofreu em 2018 em Juiz de Fora para dizer que 'quase morreu' para defender o País e agora precisa que as pessoas vão às ruas no dia 15 de março para defendê-lo. O ato do dia 15 de março está sendo convocado por movimentos de direita em defesa do governo e contra o Congresso".

Acompanhe tudo sobre:CongressoJair BolsonaroProtestosRegina Duarte

Mais de Brasil

Após receber novas doses, SP vai retomar a vacinação contra dengue neste sábado

Boulos quer câmeras corporais em agentes da Guarda Civil Metropolitana de São Paulo

Conselho proíbe internação de crianças e adolescentes em comunidades terapêuticas

Casas de apostas terão que comunicar operações suspeitas ao Coaf e classificar risco de apostadores

Mais na Exame