Brasil

Reforma Tributária: Lira confirma votação na próxima semana e comenta isenção de carne

Presidente da Câmara falou sobre tramitação do texto na Casa

Proteína, só da carne, significaria 0,57% de aumento da alíquota (Lula Marques/Agência Brasil)

Proteína, só da carne, significaria 0,57% de aumento da alíquota (Lula Marques/Agência Brasil)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 3 de julho de 2024 às 20h26.

Última atualização em 3 de julho de 2024 às 20h37.

Tudo sobreSenado
Saiba mais

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), afirmou nesta quarta-feira que a votação do texto de regulamentação da Reforma Tributária deve ocorrer na próxima semana. Lira indicou dificuldades para a inclusão da carne in natura na cesta básica de alimentos, com alíquota zero, como defendido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

"Nunca houve proteína na cesta básica. Mas, temos que ver quanto essa inclusão vai impactar na alíquota que todo mundo vai pagar. Proteína, só da carne, significaria 0,57% de aumento da alíquota. Esse é um preço pesado para todos os brasileiros. Precisamos entender as prioridades. Pra mim, a prioridade é aumentar o acesso a serviços essenciais," afirmou Lira.

Debate sobre a inclusão de proteínas na cesta básica

A Reforma Tributária, aprovada no Congresso no ano passado, previu imposto zerado para uma série de alimentos. Proteína animal, como carne bovina e frango, no entanto, ficou de fora dessa lista. Esses itens teriam apenas uma redução do tributo.

Mais cedo, os deputados do grupo de trabalho chegaram a concordar com o acréscimo das proteínas, como carnes, frangos e peixes, na cesta básica de alíquota zero. A medida foi defendida por Lula, pela manhã.

"Vamos ter que entender que possivelmente a gente tem que separar o que é carne in natura e o que é carne processada para criar diferença, mas eu sinceramente sou daqueles que vai ficar feliz se eu puder comprar carne sem imposto. Eu que prometi durante a campanha que o povo ia voltar a comer picanha e a tomar cerveja," afirmou o presidente Lula.

Adiamento da entrega oficial do texto

Os deputados do grupo de trabalho que analisa a regulamentação da reforma adiaram a entrega oficial do texto para esta quinta-feira. Eles afirmaram que irão se reunir com os líderes partidários de cada bancada da Casa antes de entregar o relatório. Os parlamentares passaram toda a quarta-feira reunidos com o presidente da Câmara, Arthur Lira, para definir parte da proposta.

Impacto no imposto seletivo e alíquota padrão

Os parlamentares apostam que com mais produtos no chamado imposto seletivo, ou imposto do pecado, será possível baixar a alíquota padrão para uma média de 25%, a partir de 2033, mesmo com a inclusão de mais itens na cesta básica.

Antes, o Ministério da Fazenda apostava que a inclusão de proteínas na cesta básica poderia elevar a taxa de referência para até 27%. O imposto seletivo incide sobre produtos considerados prejudiciais à saúde ou ao meio ambiente.

Detalhes da reforma

O primeiro texto da regulamentação da Reforma Tributária detalha a implementação do IBS (Imposto sobre Bens e Serviços) e CBS (Contribuição sobre Bens e Serviços), que juntos formarão o IVA (Imposto sobre Valor Agregado). O tributo vai substituir cinco impostos que recaem sobre consumo hoje: PIS, Cofins, IPI, ICMS, ISS.

O segundo texto, que deve ser apresentado também nesta quarta-feira, trará os detalhes do funcionamento do Comitê Gestor, órgão que irá recolher e redistribuir o IBS a estados e municípios.

Acompanhe tudo sobre:Reforma tributáriaArthur LiraLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

Mísseis de longo alcance dos EUA na Alemanha apontam para um retorno à 'Guerra Fria', diz Kremlin

Câmara aprova em primeiro turno PEC da Anistia; veja o que muda

Abin Paralela: tudo o que se sabe sobre monitoramento de ministros do STF, políticos e jornalistas

Novo Ensino Médio: reforma libera escolas a trocar trabalho remunerado ou voluntário por aulas

Mais na Exame