Brasil

Prefeito eleito de Osasco é preso pela PF em Cumbica

Vereador e prefeito eleito de Osasco, Rogério Lins, foi preso pela PF no aeroporto de Guarulhos ao voltar dos Estados Unidos

Rogério Lins: prefeito eleito era considerado foragido por estar fora do país durante operação da PF (Facebook/Reprodução)

Rogério Lins: prefeito eleito era considerado foragido por estar fora do país durante operação da PF (Facebook/Reprodução)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 26 de dezembro de 2016 às 06h58.

São Paulo - O prefeito eleito de Osasco, Rogério Lins (PTN), foi preso neste domingo (25) pela Polícia Federal no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos.

Rogério Lins desembarcou às 5h procedente dos EUA e acabou detido, porque tem contra si um mandado de prisão da Operação Caça-Fantasmas.

Aliados do prefeito eleito informaram que ele se apresentou à delegacia da PF em Cumbica assim que deixou o avião.

Rogério Lins foi eleito prefeito com 61,21% dos votos, superando o atual prefeito, Jorge Lapas (PDT), no segundo turno.

Aos 38 anos de idade, ele é empresário. Possui duas empresas em Osasco. Quando as urnas lhe deram a vitória, Lins foi taxativo ao declarar seu compromisso com a ética e o bem público. Ele afirmou que vai "respeitar o dinheiro público da nossa população".

"É tolerância zero com a corrupção", declarou.

Quando a Operação Caça-Fantasmas foi deflagrada, em 6 de dezembro, a Justiça de Osasco também mandou prender outros treze vereadores osasquenses.

Todos sob suspeita de envolvimento em um esquema milionário de fraudes na contratação sem concurso público de centenas de servidores. Os prejuízos aos cofres públicos são estimados em pelo menos R$ 21 milhões.

Acompanhe tudo sobre:Eleições 2016Osasco (SP)Prefeitos

Mais de Brasil

Ramagem diz que Bolsonaro autorizou gravação de reunião no Planalto sobre investigação de Flávio

Lira diz que investigação contra Ramagem é 'grave', mas indica não ver punição pelo Conselho

Veja transcrição e áudio da reunião entre Bolsonaro e Ramagem sobre investigação de Flávio

Brasil chama embaixador em Buenos Aires para discutir relação com governo Milei

Mais na Exame