PGR pede que STF suspenda decretos que proíbem cultos e missas presenciais

Pedido é resposta a ação movida pelo PSD contra decreto de João Doria que proibiu cultos em São Paulo por conta da covid-19

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que suspenda todos os decretos estaduais e municipais que proíbam a realização de cultos, missas e outras atividades religiosas que tenham caráter coletivo. Na avaliação de Aras, a liberdade religiosa está garantida pela Constituição Federal e a assistência espiritual seria “essencial” para muitas pessoas durante o período da epidemia causada pelo novo coronavírus.

Tribunal Federal. Em março, o procurador-geral se reuniu com o pastor Silas Malafaia e o bispo Abner Ferreira e se posicionou contra o fechamento dos templos. O presidente Jair Bolsonaro prometeu nomear um ministro "terrivelmente evangélico" para o Supremo. A próxima vaga será aberta em 5 de julho, data da aposentadoria do ministro Marco Aurélio de Mello.

O pedido de Aras ao STF é uma manifestação no âmbito de uma ação movida pelo PSD contra um decreto do governador do estado de São Paulo, João Doria (PSDB), que proibiu a realização de cultos presenciais. A justificativa para a proibição é o avanço no número de casos e mortes pela Covid-19 no estado.

Na manifestação, Aras pede que a suspensão do decreto seja imediata, o que possibilitaria a reabertura de igrejas e tempos para as celebrações da Páscoa. O relator do processo é o ministro Gilmar Mendes.

Em seu despacho, Aras disse que permitir a realização de atividades religiosas seria uma forma de garantir a “proteção da saúde mental e espiritual da população”.

“Se por um lado, o atual cenário de enfrentamento da epidemia de Covid-19 impõe a adoção de medidas que visam ao máximo evitar atividades coletivas, de outro, o mesmo cenário igualmente impõe ao Estado o dever de assegurar assistência religiosa mediante o livre exercício de culto, inclusive as atividades religiosas necessariamente presenciais e coletivas, como forma de proteção da saúde mental e espiritual da população”, disse Aras.

Em seu pedido, Aras pede que os cultos presenciais possam ser realizados, “desde que asseguradas as medidas sanitárias indispensáveis para os eu exercício coletivo” e afirma que a população brasileira “precisa de assistência religiosa para o enfrentamento de momento tão grave da epidemia do novo coronavírus”.

O pedido de Aras foi feito na quarta-feira, mesmo dia em que o Brasil bateu o recorde no registro de mortes causadas pela Covid-19 em um único dia: 3.950. Desde o início da epidemia no Brasil, a Covid-19 já infectou 12.753.258 pessoas e matou 321.886.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.