Osgemeos protestam após grafites serem apagados em SP

Subprefeitura da Sé cobriu obras dos grafiteiros viaduto Leste-Oeste, no bairro do Glicério e, em resposta, os irmãos insistiram em pintar parede coberta
Primeira mensagem de protesto deixada pela dupla Osgemeos, após seus grafites serem apagados
 (Divulgação)
Primeira mensagem de protesto deixada pela dupla Osgemeos, após seus grafites serem apagados (Divulgação)
Por Luciana CarvalhoPublicado em 11/05/2013 11:22 | Última atualização em 11/05/2013 11:22Tempo de Leitura: 2 min de leitura

São Paulo – Os irmãos Otávio e Gustavo Pandolfo, mais conhecidos como Osgemeos, se envolveram em mais um embate contra a prefeitura de São Paulo. Desta vez, os grafiteiros protestaram contra a cobertura de trabalhos seus no viaduto Leste-Oeste, no bairro do Glicério, no centro da cidade.

A polêmica começou no mês passado, quando a Subprefeitura da Sé cobriu diversos murais dos artistas. Em resposta, eles escreveram em um dos muros a mensagem "Sr. prefeito: nesta cidade existem muitos problemas sérios que precisam de resultados! Não gaste tempo e $ apagando graffiti nas ruas!", ao lado de um desenho.

Dias depois, a prefeitura apagou a nova obra, mas eles não desistiram. Por cima da tinta cinza, deixaram o texto "Sr. prefeito: apagar arte é apagar cultura, apagar cultura é desrespeitar o povo". Não se passou um dia e tudo estava coberto novamente. A última tentativa da dupla pareceu ser mais bem-sucedida. No mesmo local, Osgemeos fizeram outro desenho, sem escrever nada, o que foi mantido pela prefeitura.

Os grafiteiros, que são reconhecidos internacionalmente por seu trabalho, emitiram uma nota reclamando da política de cobrir os desenhos da cidade. “A arte de rua vem sendo apagada na cidade ao longo do tempo. Esperamos com este alerta que a Prefeitura de São Paulo e seus órgãos competentes PAREM definitivamente de apagar os grafites e respeitem e preservem a arte de rua em todos os seus segmentos.”

No ano passado, a prefeitura apagou um grafite gigante da lateral de um prédio no Vale do Anhangabaú, feito pelos irmãos, alegando que o edifício seria demolido. Desta vez, a Subprefeitura da Sé afirmou, em nota, que respeita essas manifestações artísticas e que tomou as devidas providências para que casos como esse não aconteçam novamente.