Oposição na Câmara tenta atrair Marta para prefeitura de SP

"Com Marta na disputa, podemos ganhar as eleições", disse o presidente do Solidariedade, deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho

São Paulo - A senadora Marta Suplicy (PT-SP) é um dos principais nomes cogitados pela Frente de Oposição da Câmara dos Deputados para disputar a Prefeitura de São Paulo nas eleições do ano que vem.

Os líderes do Solidariedade, PPS, PV e PSB, que formam o bloco, acreditam que ela é um nome forte para a disputa não apenas por já ter sido prefeita, mas também pelo capital político que tem.

"Com Marta na disputa, podemos ganhar as eleições", disse o presidente do Solidariedade, deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, ao Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado.

Paulinho contou que conversou com Marta no final do ano passado e que uma nova conversa deverá ocorrer ainda este mês.

"Não tem nada definido ainda, mas estamos conversando e a senadora demonstrou que tem interesse em ouvir a nossa proposta".

Além dos partidos da Frente de Oposição, outras legendas, como o PMDB, já sinalizaram que pretendem conversar com a senadora a respeito da possibilidade de ela deixar o PT e concorrer por outra sigla contra o petista Fernando Haddad na eleição municipal de 2016.

Caso opte pela Frente de Oposição, Marta terá um tempo de TV equivalente ao que teria se disputasse por seu partido, o PT.

Este bloco possui 67 deputados federais eleitos, número equivalente ao do PT, com 70 deputados eleitos, e o PMDB, com 66.

No ano passado, Marta deixou o Ministério da Cultura e retomou sua cadeira no Senado Federal.

Sua saída do primeiro escalão foi marcada por críticas à atual gestão e provocou tensão em suas relações com dirigentes do PT, partido que ajudou a fundar, como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente nacional da sigla, Rui Falcão, e a própria presidente da República, Dilma Rousseff.

Mesmo com todo assédio, Marta ainda não se pronunciou a respeito do tema, tampouco disse se irá ou não deixar o PT.

Lideranças da sigla, como o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, já disseram não acreditar na saída da senadora da legenda.

O problema é que ela demonstrou disposição em disputar a Prefeitura de São Paulo, enquanto Lula e Dilma continuam apoiando o atual prefeito Fernando Haddad.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também