‘Nem com choque Brasil aprendeu a cuidar de aeroportos’, diz especialista

Presidente de instituto de estudos sobre o transporte aéreo afirma que o país precisa do setor privado para dar visão de negócio à administração do setor

São Paulo - Depois de uma década de crises aéreas e incontáveis alertas sobre a precariedade da infraestrutura dos aeroportos brasileiros, o governo continua sem a visão necessária para desenvolver o setor. Por esta razão, segundo o presidente do Instituto Brasileiro de Estudos Estratégicos e Políticas Públicas em Transporte Aéreo (Cepta), Respício do Espírito Santo, a entrada de empresas privadas é importante e urgente.

“O governo não tem a visão de negócio necessária para administrar os aeroportos, então precisa trazer para perto quem tenha. O Brasil não aprendeu nem com o tratamento de choque que foi o caos aéreo de 2007. Falta vontade política para melhorar a gestão”, diz Respício.

Segundo ele, modelos de concessão e autorização à iniciativa privada ajudariam a integrar melhor todos os participantes da cadeia da aviação. Atualmente, na avaliação do especialista, há falhas de comunicação entre os membros.

“É preciso haver um administrador que auxilie a Infraero, a Polícia Federal, o setor de imigração”, diz Respício. Este “maestro”, como ele define, ajudaria a integrar os órgãos públicos presentes nos aeroportos às necessidades das empresas aéreas, harmonizando o funcionamento da máquina aeroportuária.

“Atualmente isto não acontece. Todo mundo hoje quer fazer o seu trabalho, sem ter, muitas vezes, noção do que acontece ao seu redor”, diz o presidente da Cepta.

Apesar de defender a entrada do setor privado na administração aeroportuária, Respício diz que é contra a privatização total, seja dos aeroportos, seja da empresa estatal que os administra, a Infraero. Ele admite, entretanto, que dividir a gestão entre governo e empresas privadas traria ao setor o benefício da concorrência entre os administradores, o que levaria à melhora nos serviços prestados.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.