Não tem cabimento levantar qualquer dúvida sobre as eleições, diz Pacheco

As afirmações foram dadas um dia após Bolsonaro defender uma contagem paralela de votos controlada pelas Forças Armadas
 (Waldemir Barreto/Agência Senado/Flickr)
(Waldemir Barreto/Agência Senado/Flickr)
E
Estadão ConteúdoPublicado em 28/04/2022 às 12:00.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), declarou nesta quinta-feira (28) que "não tem cabimento levantar qualquer dúvida sobre as eleições no Brasil". Em publicação no Twitter, o líder ressaltou que as instituições e a sociedade podem ter convicção da normalidade do processo eleitoral. As afirmações foram dadas um dia após o presidente Jair Bolsonaro (PL) defender uma contagem paralela de votos controlada pelas Forças Armadas.

"As instituições e a sociedade podem ter convicção da normalidade do processo eleitoral. A Justiça Eleitoral é eficiente e as urnas eletrônicas confiáveis. Ainda assim, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) está empenhado em dar toda transparência ao processo desde agora, inclusive com a participação do Senado", escreveu Pacheco nas redes sociais. "Não tem cabimento levantar qualquer dúvida sobre as eleições no Brasil. O Congresso Nacional é o guardião da democracia!", completou.

Entenda como as decisões da Câmara e do Senado afetam seu bolso. Assine a EXAME.

Nesta quarta-feira (27), durante uma cerimônia no Planalto, Bolsonaro, além de defender a presença dos militares na apuração dos votos, disse que a possível suspeita dos resultados eleitorais poderia acontecer em relação à disputa presidencial e legislativa."Não pensem que uma possível suspeição de uma eleição vai ser apenas no voto para presidente, vai entrar para o Senado, a Câmara, se tiver, obviamente, algo de anormal", declarou Bolsonaro.

O presidente também voltou a atacar o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso. Ex-presidente do TSE, Barroso disse na semana passada que as Forças Armadas estão sendo usadas para tirar a credibilidade do processo eleitoral brasileiro.

Depois de um período de pacificidade diante das Instituições brasileiras, Bolsonaro voltou a atacar ministros da Suprema Corte e a colocar em xeque os resultados eleitorais. Como avaliado por especialistas ao Broadcast Político, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, as movimentações do presidente refletem a tentativa de unir sua base eleitoral e reforçar a presença no segundo turno das eleições.

VEJA TAMBÉM

Urna eletrônica é segura? Entenda como o equipamento e a votação funcionam

WhatsApp se reúne com Bolsonaro e confirma megagrupos somente após eleição

Prazo para tirar o título de eleitor vence em uma semana; saiba como tirar