Mulheres brasileiras têm menos de dois filhos em média

Na década passada, as mulheres do país tinham em média 2,14 filhos, número que caiu para 1,74 em 2014

	Filhos: a queda na taxa de fecundidade se deu em todas as regiões brasileiras
 (thinkstock)
Filhos: a queda na taxa de fecundidade se deu em todas as regiões brasileiras (thinkstock)
Por Da RedaçãoPublicado em 04/12/2015 10:30 | Última atualização em 04/12/2015 10:30Tempo de Leitura: 2 min de leitura

A taxa de fecundidade da população brasileira registrou queda de 18,6% entre os anos de 2004 e 2014, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Os dados divulgados hoje (4) fazem parte da Síntese de Indicadores Sociais, que usa números da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad).

Na década passada, as mulheres do país tinham em média 2,14 filhos, número que caiu para 1,74 em 2014.

A queda na taxa de fecundidade se deu em todas as regiões brasileiras. No Norte, onde a taxa é maior, o indicador passou de 2,84 para 2,16 filhos por mulher.

Já no Sul do país, a taxa de fecundidade chegou a 1,60 filho por mulher.

Segundo a pesquisa, as mulheres que respondem pela maior parte da fecundidade são as de 20 a 24 anos, com 26,5% do total da fecundidade do país.

Nesse grupo, há uma taxa de 91,9 filhos para cada mil mulheres.

O IBGE destaca que as jovens de 15 a 19 anos tiveram uma queda na taxa de fecundidade no período estudado, de 78,8 para 60,5 filhos por mil mulheres.

A participação delas na fecundidade total é de 17,4%.

O número é considerado alto se comparado a regiões mais desenvolvidas, como a Europa, onde a taxa de fecundidade está em 16,2 filhos nascidos vivos para cada mil mulheres de 15 a 19 anos.

O maior percentual de jovens com filhos está no Nordeste (35,8%) e, segundo a pesquisa, a maior parte dessas mulheres era preta ou parda (69%) e não estudava (59,7%).

Veja Também

Setor de serviços subiu 0,2% em abril, segundo IBGE
Economia
Há uma semana • 2 min de leitura

Setor de serviços subiu 0,2% em abril, segundo IBGE