Brasil
Acompanhe:

Marina Silva nega encontro com PEN e 'plano B'

Ex-senado alega ter agenda em São Paulo e em Sergipe nesta semana e garante não ter encontro nenhum marcado com dirigentes do PEN


	Ex-senadora Marina Silva fala no lançamento de seu novo partido: ex-senado espera a decisão do TSE sobre a criação da legenda
 (José Cruz/ABr)

Ex-senadora Marina Silva fala no lançamento de seu novo partido: ex-senado espera a decisão do TSE sobre a criação da legenda (José Cruz/ABr)

D
Daiene Cardoso

23 de setembro de 2013, 20h20

Brasília - Em nota divulgada na tarde desta segunda-feira, 23, em seu site, a ex-senadora Marina Silva negou que tenha agendado encontro com o presidente do PEN, Adilson Barroso, para negociar uma possível filiação à sigla caso a Rede Sustentabilidade não obtenha o registro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A presidenciável reforça ainda o discurso de que não estaria buscando alternativas políticas para viabilizar sua candidatura à Presidência da República.

Na nota, Marina alega ter agenda em São Paulo e em Sergipe nesta semana e garante não ter encontro nenhum marcado com dirigentes do PEN. "Não é a primeira vez que integrantes do PEN tentam mostrar proximidade com Marina e a Rede, dizendo existir uma negociação para que a ex-senadora vá para o partido caso a Rede não obtenha o registro até o dia 5 de outubro deste ano", diz o texto.

Na mensagem, a assessoria de imprensa da ex-senadora reforça a confiança de que a Justiça Eleitoral concederá o registro à Rede antes da data limite para que o partido seja oficializado e possa disputar a sucessão presidencial de 2014. "Marina Silva reafirma que não discute um plano B e está confiante que a Justiça Eleitoral concederá o registro ao partido antes de 5 de outubro", afirma.