• AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
  • AALR3 R$ 20,34 1.40
  • AAPL34 R$ 67,96 -2.78
  • ABCB4 R$ 17,36 4.52
  • ABEV3 R$ 14,11 -0.77
  • AERI3 R$ 3,72 -1.59
  • AESB3 R$ 10,75 0.66
  • AGRO3 R$ 30,95 1.08
  • ALPA4 R$ 20,84 -0.48
  • ALSO3 R$ 19,10 -1.29
  • ALUP11 R$ 26,71 1.17
  • AMAR3 R$ 2,45 4.26
  • AMBP3 R$ 30,53 -2.12
  • AMER3 R$ 23,10 0.65
  • AMZO34 R$ 67,45 -0.34
  • ANIM3 R$ 5,50 -0.72
  • ARZZ3 R$ 81,36 -0.60
  • ASAI3 R$ 15,39 -0.06
  • AZUL4 R$ 21,23 0.00
  • B3SA3 R$ 11,82 2.34
  • BBAS3 R$ 35,68 -0.64
Abra sua conta no BTG

Marina é a única que pode derrotar o PT no 2º turno, diz Eduardo Jorge

“Nossa tática é derrotar o Bolsonaro no 1º turno e depois enfrentar o Lula no 2º turno. Só Marina tem condição de derrotar o Lula”
 (Reuters/Ueslei Marcelino)
(Reuters/Ueslei Marcelino)
Por Rachel Gamarski e Fernando Travaglini, da BloombergPublicado em 05/09/2018 12:50 | Última atualização em 05/09/2018 12:50Tempo de Leitura: 3 min de leitura

A estratégia da candidata Marina Silva (Rede) de combater o discurso de um dos seus maiores adversários, o deputado Jair Bolsonaro (PSL), também é adotada pelo seu candidato a vice, Eduardo Jorge (PV). O médico e ex-deputado federal usa, no entanto, o mesmo tom nas críticas aos planos de governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Os comentários, mais ácidos do que depreciativos se justificam pela certeza de que Marina é a única que pode ganhar do PT no 2º turno.

“Nossa tática é derrotar o Bolsonaro no 1º turno e depois enfrentar o Lula no 2º turno. Só Marina tem condição de derrotar o Lula”, diz Eduardo Jorge em entrevista à Bloomberg em sua casa, em São Paulo - referindo-se ao potencial de transferência de voto do ex-presidente, cuja candidatura foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral. A história dela é épica, até mais que a de Lula, diz ele.

O candidato a vice afirma ainda que a saída de Lula da disputa eleitoral foi melhor para o ex-presidente. “Lula não quer governar, Lula quer mandar, quer terceirizar”, diz fazendo referência a Fernando Haddad, vice que deve herdar a cabeça de chapa.

Sobre o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), Eduardo Jorge, que já trabalhou diretamente com o tucano, afirma que ele não tem condição de ganhar um disputa contra o PT. “Alckmin é o candidato tradicionalmente paulista. Há preconceito contra a força de SP, principalmente no Norte e Nordeste.”

Aposta no bom senso

Ele se mostra, entretanto, pragmático sobre o desenrolar da corrida presidencial. O ideal para derrotar Bolsonaro, diz, seria a formação, lá atrás, de uma ampla frente de centro, para ganhar votos e limitar o avanço dos extremos. Agora, o trabalho é mais difícil e será preciso "apelar para o bom senso" do eleitorado.

A chapa Marina-Eduardo conta ainda com a margem de votos acumulada antes da propaganda de rádio e TV, que garante o segundo lugar nas pesquisas, no cenário sem Lula. Eles acreditam que o candidato que estiver à frente entre os centristas faltando 15 dias para o pleito pode herdar parte dos votos úteis.

Por ora, Eduardo Jorge acredita que o atual cenário de pulverização eleitoral só beneficia os dois candidatos que lideram as pesquisas até o momento, enquanto nomes como João Amoedo (Novo) e Alvaro Dias (Podemos), que ele faz questão de dizer que são candidaturas legítimas, estão na verdade “ajudando a estratégia" do PT e do PSL.

Tática parlamentarista

O candidato a vice se diz consciente, uma vez eleito, das dificuldades para governar e formar maioria no Congresso a favor das reformas que a chapa defende em seu programa. O ideal, segundo ele, é Marina lançar mão de uma "tática parlamentarista”, ou seja, "oferecer o programa para ajustes e concessões", se valendo do diálogo.

Parte dessa negociação está refletida no próprio programa de governo com, segundo ele, 90% de concordância. Temas controversos como descriminalização de drogas e aborto -- defendidos pelo PV em eleições passadas -- ficaram de fora, mas com alguns avanços que levaram ao consenso.

Ao mesmo tempo, ele vê Marina "amadurecida" após 2014, quando concorreu a vice e herdou a cabeça da chapa após a morte de Eduardo Campos (PSB). "Sonhática, mas tem que ter o pé no chão."