Lula pretende lançar pré-candidatura em abril, com Alckmin e Boulos

Ato ocorrerá após a janela partidária para receber lideranças que mudarem de legenda para apoiar a chapa do petista
 (Reuters/Amanda Perobelli)
(Reuters/Amanda Perobelli)
Por Agência O GloboPublicado em 10/03/2022 11:12 | Última atualização em 10/03/2022 11:31Tempo de Leitura: 2 min de leitura

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva definiu que lançará sua pré-candidatura à Presidência da República no começo de abril, após o fim da janela partidária. A ideia é fazer um grande ato em São Paulo que reúna do ex-governador Geraldo Alckmin, que sacramentou sua ida ao PSB e será indicado vice da chapa, a integrantes do PSOL.

Alguns petistas alimentam a expectativa de que até lá o líder sem-teto Guilherme Boulos aceite retirar  sua pré-candidatura ao governo de São Paulo. Se isso acontecer, o evento servirá também para lançar o ex-prefeito Fernando Haddad ao governo paulista.

O ato ocorrerá após a janela partidária para poder receber lideranças que mudarem de legenda no período para apoiar a chapa de Lula.

A ideia é que o ex-presidente seja apresentado pré-candidato com o apoio dos três partidos que decidiram se unir em uma federação: PT, PCdoB e PV. Além disso, ainda receberia o apoio do PSB, do PSOL, do Solidariedade e de uma parte da Rede Sustentabilidade. O ex-presidente quer um palanque amplo para a eleição.

O PSB já anunciou que estará com Lula. O Solidariedade também tem manifestado a mesma intenção. Já o PSOL ainda discute a inclusão de pontos do programa de governo do petista, como a revogação da reforma trabalhista, da Previdência e do Teto de Gastos, para declarar o apoio.

Pelos planos, Alckmin deve participar do ato como indicado oficial do PSB para o posto de vice. A escolha do ex-tucano, porém, para compor a chapa com Lula ainda precisaria ser aprovada em um encontro do PT, a ser realizado mais para frente.

Apesar de falar como postulante ao Palácio Planalto desde que recuperou os seus direitos políticos em março do ano passado, Lula ainda resiste a assumir a sua pré-candidatura e tem dito que tomará a decisão sobre o assunto no primeiro trimestre deste ano.