Brasil

Lula: chapa com Alckmin depende de filiação a 'partido político adequado'

Ex-governador de São Paulo estuda filiar-se ao PSB, de centro-esquerda, ou ao PSD de Gilberto Kassab, de centro-direita

Lula lidera com ampla vantagem todas as pesquisas de intenção de voto para as eleições (Ricardo STUCKERT / PRESS OFFICE OF LUIZ INACIO LULA DA SILVA/AFP)

Lula lidera com ampla vantagem todas as pesquisas de intenção de voto para as eleições (Ricardo STUCKERT / PRESS OFFICE OF LUIZ INACIO LULA DA SILVA/AFP)

AO

Agência O Globo

Publicado em 26 de janeiro de 2022 às 11h44.

Última atualização em 26 de janeiro de 2022 às 11h57.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta quarta-feira que a eventual chapa com o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin como vice depende da escolha do ex-tucano sobre em qual partido deverá se filiar. Alckmin mantém conversar mais avançadas com o PSB, mas foi convidado, também, pelo PSD de Gilberto Kassab.

Em entrevista à rádio CBN Vale do Paraíba, de São José dos Campos (SP), Lula teceu elogios ao ex-adversário político, a quem chamou de "companheiro", e afirmou que a eventual aliança seria benéfica tanto para o ex-tucano quanto para o ex-presidente.

— Se a gente vai fazer uma chapa comum depende (...) de eu ser candidato e da filiação do companheiro Alckmin a um partido político adequado que faça aliança com o PT. Espero que o PT compreenda a necessidade de fazer aliança — afirmou.

  • Quer saber tudo sobre a corrida eleitoral de 2022? Assine a EXAME e fique por dentro.

O ex-presidente lidera com ampla vantagem todas as pesquisas de intenção de voto para as eleições presidenciais deste ano.

Questionado sobre que papel Alckmin poderia exercer em um eventual novo governo do PT, Lula comparou o ex-governador paulista a José de Alencar, vice do petista em seus dois mandatos presidenciais.

— Se tem alguém que tem experiência de ser vice é o Alckmin, que foi vice do Mario Covas (ex-governador paulista, morto em 2001). O vice está lá para contribuir, para participar. O Zé Alencar participava de todas as reuniões que eu fazia. Quando eu fazia reunião de governo, o Zé Alencar participava, falava, dava opinião, representava o governo. (...) Sempre terei dificuldade, e o Alckmin sabe disso, de encontrar alguém para substituir um companheiro como o Zé Alencar — disse Lula.

O ex-presidente afirmou que confia em Geraldo Alckmin e que sempre manteve boa relação com o ex-adversário. Os dois, no entanto, disputaram a eleição presidencial de 2006 em uma campanha na qual Alckmin questionava a responsabilidade de Lula no caso de corrupção do mensalão.

— Quando você escolhe uma pessoa para vice, estabelece uma relação de confiança. Não é uma pessoa distante, é o cara que tem que estar na sala, na cozinha, em todo o lugar com o presidente. Ele faz parte da governança do país. (...) Eu tenho confiança no Alckmin, eu fui presidente por oito anos e tive relações com o Alckmin, sempre foram relações de respeito, institucionais — afirmou o petista.

Dilma no governo?

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deu a entender nesta quarta-feira que a ex-presidente Dilma Rousseff não teria nenhum papel efetivo em seu eventual novo governo.

— O tempo passou, tem muita gente nova no pedaço e eu pretendo montar o governo com muita gente nova, muita gente importante e com muita experiência também. A Dilma é uma pessoa pela qual eu tenho o mais profundo respeito e carinho. A Dilma tecnicamente é uma pessoa inatacável, tem uma competência extraordinária. Onde ela na minha opinião erra é na política — disse Lula em entrevista à rádio CBN Vale do Paraíba.

Para o ex-presidente, Dilma não tem o traquejo nem a paciência que a política exige.

— Ela não tem a paciência que a política exige que a gente tenha para conversar, para ouvir as pessoas, para atender as pessoas mesmo quando você não gosta do que as pessoas estão falando. Eu sou daqueles políticos que se o cara estiver contando uma piada que eu já sei, não vou dizer que já sei essa, não, conta outra vez. Tudo bem, se for necessário rir (...). Nisso eu acho efetivamente que cometemos um equívoco pela pressão em cima da Dilma (em 2016) — ressaltou Lula.

Acompanhe tudo sobre:Eleições 2022Geraldo AlckminLuiz Inácio Lula da Silva

Mais de Brasil

Temperatura acima de 30°C para 13 capitais e alerta de chuva para 4 estados; veja previsão

Discreta, Lu Alckmin descarta ser vice de Tabata: 'Nunca serei candidata'

Desconhecido, Novo PAC não decola e frustra expectativas de ganho político para o governo

Quero ser responsável pela vitória dele, diz Lula no lançamento da candidatura de Boulos em SP

Mais na Exame