Brasil

Lúcio Funaro deixa PF e retorna para presídio da Papuda

O corretor estava na carceragem da PF desde o dia 5 de julho para preparar os anexos de sua delação e prestar esclarecimentos

Papuda: o corretor retornou ao Complexo Penitenciário hoje (11) (Marcello Casal Jr/Agência Brasil/Agência Brasil)

Papuda: o corretor retornou ao Complexo Penitenciário hoje (11) (Marcello Casal Jr/Agência Brasil/Agência Brasil)

EC

Estadão Conteúdo

Publicado em 11 de agosto de 2017 às 19h57.

Última atualização em 11 de agosto de 2017 às 22h02.

Brasília - O corretor Lúcio Bolonha Funaro deixou a Superintendência da Polícia Federal no Distrito Federal e retornou ao Complexo Penitenciário da Papuda nesta sexta-feira, 11.

Em negociação de uma colaboração premiada com a PF e com a Procuradoria-Geral da República (PGR), Funaro estava na carceragem da PF, desde o dia 5 de julho, para preparar os anexos de sua delação e prestar esclarecimentos no âmbito das operações Sépsis e Cui Bono?.

Preso em julho de 2016, na operação Sépsis, o corretor voltou a negociar um acordo com a Lava Jato após a revelação do acordo de colaboração dos executivos da JBS, na qual Funaro foi apontado pelo empresário Joesley Batista como operador financeiro do PMDB da Câmara, grupo político de Temer.

Funaro promete confirmar ter recebido valores de Joesley para não fazer um acordo e complicar a vida dos integrantes do PMDB da Câmara.

Seus depoimentos devem ser utilizados na denúncia que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, prepara contra o presidente Michel Temer pelo crime de obstrução de Justiça.

A reportagem apurou que os principais alvos do acordo são o presidente Michel Temer, os ex-ministros Geddel Vieira Lima e Henrique Eduardo Alves, além do ex-deputado Eduardo Cunha, todos do PMDB. Outro alvo será o ministro Moreira Franco (Secretaria-Geral).

Acompanhe tudo sobre:Delação premiadaJustiçaPolícia FederalPrisões

Mais de Brasil

Justiça determina prisão de 98 anos a Renato Duque, ex-diretor da Petrobras

Prouni 2024: inscrições para vagas do 2º semestre começam na próxima terça, 23

Letalidade policia cresce 188% em 10 anos; negros são as principais vítimas, aponta Anuário

⁠Violência doméstica contra a mulher cresce 9,8% no Brasil, aponta Anuário de Segurança Pública

Mais na Exame