Ligue 180 deve chegar a dez países neste ano

O serviço será ampliado em dez países na América do Sul, América Central e Europa

Brasília – A Central de Atendimento à Mulher, usada pelos parentes e as vítimas do tráfico de pessoas e outros tipos de violências contra as mulheres cometidas no exterior, vai ser ampliado para mais dez países na América do Sul, América Central e Europa ainda neste ano. O serviço, conhecido como Ligue 180, coordenado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres, no Brasil, já funciona em Portugal, Espanha e Itália, desde 2011. O Ligue 180 foi determinante, por exemplo, para o resgate de quase 40 mulheres brasileiras e estrangeiras, no ano passado, que estavam sendo exploradas sexualmente em Ibiza e Salamanca, na Espanha.

A lista dos países onde o serviço será instalado ainda não foi divulgada pelo governo. De acordo com a diretora de Enfrentamento à Violência Contra as Mulheres da SPM, Ana Teresa Iamarino, o governo brasileiro tem acompanhado a situação em pelo menos 22 países. Mas por enquanto as negociações só avançaram com autoridades das 10 regiões que serão divulgadas nos próximos dias.

“A realidade da violência é uma preocupação em qualquer parte do mundo”, disse ela, ao explicar que o governo brasileiro segue alguns critérios antes de negociar a instalação da central de atendimento em outros países.

O diagnóstico preliminar feito pelos representantes brasileiros de direitos humanos e direitos femininos considera não só o número de mulheres traficadas, mas os locais onde a comunidade brasileira é mais expressiva, onde existe apoio diplomático mais efetivo, como consulados e embaixadas, e onde há presença de autoridades policiais brasileiras, como adidos da Polícia Federal.

“Depois, ainda levantamos os serviços que já existem no país, porque temos que garantir o mínimo da rede de retaguarda no local, principalmente, para os casos de maior emergência”, disse a diretora do SPM.


Pelos padrões criados para que o serviço funcione no exterior, o Ligue 180 precisa ser uma fonte de informações sobre tráfico, outros tipos de violência e direitos para mulheres que estão no exterior e garantir a orientação adequada para que as vítimas consigam apoio das instituições locais especializadas ou dos consulados, no caso de pessoas que querem voltar para o Brasil, mas não conseguem.

“A gente tem conseguido muitos avanços, mas infelizmente ainda vivenciamos diversas formas de violência contra a mulher. Estamos sempre procurando ampliar nosso atendimento para dar o apoio necessário a essas vítimas e estamos sempre em negociações com outros países”, disse ela.

Ana Teresa descartou a ampliação do serviço para os países da Ásia, África e Oceania neste ano. No caso dos Estados Unidos e Canadá, as negociações estão em andamento e os países têm todas as condições para receber a central de atendimento, mas ainda não há sinalização de uma data para que o serviço funcione na América do Norte.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.