Justiça de MG proíbe PM de impedir manifestações anti-Copa

A decisão, expedida no último dia 23 e divulgada nesta quarta-feira, dia 25, atendeu ao pedido do Centro de Cooperação Comunitária Casa Palmares

Belo Horizonte - A Justiça mineira expediu liminar proibindo a Polícia Militar de impedir manifestações "de questionamento à Copa do Mundo", desde que os protestos sejam previamente comunicados à corporação.

A decisão, expedida no último dia 23 e divulgada nesta quarta-feira, dia 25, atendeu ao pedido do Centro de Cooperação Comunitária Casa Palmares, que acusa a PM de fazer "cercos policiais às manifestações populares" promovidas contra o Mundial em Belo Horizonte.

No dia da abertura da Copa, um ato terminou em confronto entre manifestantes e militares e depredação de imóveis públicos e particulares, além de uma viatura da Polícia Civil.

Desde então, a PM montou cerco em torno de outros atos organizados na cidade e impediu que manifestantes promovessem passeatas para fora da região central - principalmente em direção à região da Pampulha, onde fica o Estádio Governador Magalhães Pinto, o Mineirão, que recebe jogos da Copa.

Na ação, a Casa Palmares cita manifestação realizada em 14 de junho, quando a polícia "impediu que as pessoas se reunissem pacificamente na Praça Sete de Setembro, ponto tradicional de reunião de movimentos sociais, grupos políticos e cidadãos como forma de visibilidade às duas demandas".

Segundo o processo, o cerco montado pela PM impedia o acesso de "qualquer cidadão" ao local, "com especial foco em pessoas que portavam bandeiras de movimentos e usavam camisas demonstrando opinião contrária à Copa do Mundo".

O cerco, de acordo com a ação, teria sido feito mais duas vezes na região da Savassi, onde ocorrem as festas não oficiais em torno do Mundial.

Cidadania

"Não há dúvida de que é direito de todos os cidadãos brasileiros manifestarem-se publicamente questionando a realização da Copa do Mundo como forma de liberdade de expressão", afirmou o juiz Ronaldo Claret de Moraes, responsável pelo plantão de medidas urgentes no Fórum Lafayette, em Belo Horizonte.

O Ministério Público Estadual (MPE) também foi favorável à medida para "garantir o exercício inerente à cidadania" e afirmou que a PM "deve exercer a segurança pública sem impedir tal liberdade de expressão, dentro dos limites inerentes à sua atribuição de defesa social".

Mas o magistrado, citando a Constituição Federal, salientou a necessidade de as manifestações serem realizadas "pacificamente, sem armas" e com prévio aviso à PM.

Desde o início da Copa, pelo menos 30 pessoas foram presas e cinco adolescentes apreendidos acusados de delitos em manifestações na capital mineira, incluindo um suspeito com uma machadinha.

O governo mineiro informou que não foi notificado da decisão judicial e que, ao receber a notificação, avaliará a possibilidade de recorrer da liminar.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.