Inflação oficial encerra o ano com a maior alta desde 2004: 5,91%

Grupo Alimentos e Bebidas foi o principal responsável pelo resultado, segundo o IBGE

São Paulo - A inflação oficial do Brasil encerrou o ano passado com alta de 5,91%. É a maior elevação desde 2004 (7,60%).

O grupo Alimentos e Bebidas foi o principal vilão, com alta de 10,39%. "Esse item contribuiu com 2,34 pontos percentuais na formação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o que representa 40% do acumulado em 2010", diz relatório do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo do índice.

"O consumidor passou a pagar mais caro especialmente pelos feijões, cujos preços chegaram a subir 51,49% no ano. Mas, levando em conta a importância no orçamento das famílias, a despesa que mais pesou foi a com a compra de carnes. O preço do quilo aumentou 29,64%, em média, liderando a lista dos principais impactos ou contribuições para o IPCA do ano (0,64 ponto percentual). Com influência da alta dos alimentos, também ficou mais caro consumir refeições fora de casa, que aumentaram 10,62% e ficaram com o segundo maior impacto no IPCA do ano (0,46 ponto percentual)."

Fonte: IBGE
Grupos Variação no ano
Alimentação e Bebidas 10,39%
Vestuário 7,52%
Despesas Pessoais 7,37%
Educação 6,22%
Saúde e Cuidados Pessoais 5,07%
Habitação 5,00%
Artigos de Residência 3,53%
Transportes 2,41%
Comunicação 0,88%
IPCA Total 5,91%

O IBGE também divulga a inflação oficial medida em várias regiões. Belém (6,86%) liderou a alta dos preços por causa do aumento da energia elétrica (17,58%) e dos alimentos (10,38%). Já Recife teve a menor variação (4,63%) devido à redução da tarifa de energia elétrica (-9,16%) e do gás de botijão (-8,98%).

Fonte: IBGE
Regiões 2010
Belém 6,86%
Curitiba 6,71%
Fortaleza 6,52%
Rio de Janeiro 6,41%
Salvador 6,21%
Belo Horizonte 5,84%
São Paulo 5,79%
Brasília 5,71%
Porto Alegre 5,14%
Goiânia 5,11%
Recife 4,63%
Brasil 5,91%

Análise: BC cumpriu a meta de inflação, sem louvor

Rádio EXAME: Inflação só não foi pior porque Brasil importa deflação, diz especialista

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.