General Pazuello pede para deixar Ministério da Saúde

Militar teria alegado problemas de saúde para se desligar da pasta; substituto deve ser anunciado nos próximos dias

Como já era esperado em Brasília, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, pediu para deixar a pasta, conforme EXAME adiantou na última sexta, dia 12. Pazuello teria alegado, neste domingo, problemas de saúde para sair de maneira "honrosa". A demissão do general era considerada uma questão de dias por interlocutores próximos ao Palácio do Planalto. A troca no comando do ministério é prevista para essa semana.

As conversas sobre a substituição do ministro Eduardo Pazuello evoluíram nos últimos dias em boa parte em função da volta do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à cena política. Lula proferiu um discurso na última quarta, 10, logo após ter suas condenações no âmbito da Lava-Jato anuladas pelo STF, em que criticou fortemente a condução do governo na crise da Covid-19.

"É o efeito Lula", diz o analista político André Cesar, da Hold Assessoria Legislativa, com escritórios em Brasília e São Paulo. "Agora, o jogo mudou e o governo está atento às possíveis vulnerabilidades".

Deputados do Centrão vêm tentanto emplacar nomes que podem substituir o general Pazuello. O deputado Dr. Luiz Antonio Teixeira Júnior (PP-RJ), amigo pessoal de Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara, faria parte dessa lista.

O parlamentar, que é médico, foi eleito nesta quinta, dia 11, para a presidência da Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF), na qual são discutidos temas relacionados à saúde, previdência e assistência social. Dr. Luizinho, como é conhecido, foi secretário municipal de saúde em Nova Iguaçu (RJ), sua cidade natal, e secretário estadual no Rio de Janeiro.

Nomes que fogem ao espectro político, como os cardiologistas Marcelo Queiroga, presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, e Ludhmilla Abrahão Hajjar, que especializou no tratamento da Covid-19, também estariam sendo cotados. Hajjar é considerada uma figura mais próxima ao governo.

Segundo fontes próximas ao governo, a médica já tentou se encaixar no Ministério da Saúde nas ocasiões em que os ex-ministros Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich deixaram suas funções. Queiroga, por outro lado, é visto como um médico respeitado, embora com pouco apoio do meio político. Hajjar, que atua na rede de hospitais Vila Nova Star, de Brasília, se especializou no tratamento da Covid-19.

Em nota, o Ministério da Saúde disse neste domingo que nada mudou. "O Ministério da Saúde informa que o ministro Eduardo Pazuello segue à frente da pasta, com sua gestão empenhada nas ações de enfrentamento da pandemia no Brasil", afirmou o ministério em comunicado.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.