Fux cita MMA contra ação de agressão de deutado

O ministro do STF afirmou que a suspeita de que Arthut Lira teria agredido sua ex-mulher durante 40 minutos era inverossímil

Brasília - O julgamento da denúncia contra o deputado Arthur Lira (PP-AL), suspeito de agredir a ex-mulher Jullyene Lins, levantou, novamente, discussão sobre a Lei Maria da Penha no Supremo Tribunal Federal (STF). Relator do processo, o ministro Luiz Fux afirmou que a suspeita de que Lira teria agredido Jullyene - mulher durante 40 minutos era inverossímil.

Fux comparou o caso a uma luta de MMA. O ministro do STF foi vencido e o deputado do PP de Alagoas responderá à ação penal no STF.

A mulher relatou que, em 2006, foi agredida durante 40 minutos. A empregada doméstica Elane Melo, babá de um dos filhos, afirmou ter presenciado as agressões e ouvido Lira dizer: "Eu vou dar em você de mão fechada que é para não deixar hematomas e ninguém escutar". Fux afirmou que as acusações eram inverossímeis.

"Eu não conheço murro de mão fechada que não deixa marca. Principalmente, se ele é seguido de uma agressão de 40 minutos", afirmou.

"Não só por experiência pessoal, mas porque tenho um gosto específico por esporte, sabe-se que nem num torneio de Mixed Martial Arts (MMA) se permite que uma pessoa apanhe durante 40 minutos porque uma surra de 40 minutos é conducente à morte", acrescentou.

"Só para termos uma ideia, esses lutadores bem preparados fisicamente lutam três rounds de cinco minutos por um de descanso", afirmou.

O laudo pericial, feito a pedido da delegacia encarregada de investigar violência contra as mulheres em Alagoas, atestou que havia hematomas nos braços e nas pernas de Jullyene. Fux afirmou que as marcas eram incompatíveis com agressões que duram 40 minutos.


De acordo com a defesa de Lira, os peritos não indicaram se as marcas eram compatíveis com o relato da mulher. Fux disse que o laudo "praticamente desmente a versão da vítima" e classificou de fantasiosa a versão.

Depois de prestados os primeiros depoimentos e concluído o laudo pericial, Jullyene voltou atrás no depoimento, o mesmo tendo feito a babá. Em 2012, o Supremo julgou que, mesmo que a mulher agredida volte atrás na denúncia, a ação penal continua a tramitar.

Neste caso, afirmou Fux, não houve retratação. "Ela esvaziou o primeiro depoimento", disse, ressaltando ser favorável à Lei Maria da Penha.

Tese

A ministra Rosa Weber se contrapôs ao voto de Fux, contestando especialmente a tese de que as agressões não duraram 40 minutos. "Estava aqui a me perguntar qual é o tempo de um tapa. Meio minuto, dez segundos?", questionou.

"Quatro hematomas pequenos. Mas o que causa um hematoma? Diante de tantas dúvidas, acho importante que a denúncia seja recebida para que, no curso da ação penal, com base em novos elementos de prova, possamos chegar a uma solução que mais atenda ao que de fato ocorreu", afirmou.

O ministro Marco Aurélio Mello, que também votou pela continuidade do processo, disse recear as consequências que o voto de Fux poderia causar caso fosse vencedor.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.